terça-feira, 8 de janeiro de 2008

Seixos Transparentes


Gravura de Celito Medeiros


De tanto amor e dor que a ti concedo
meu corpo de minha alma se liberta.
O amor não tem remorsos nem avessos
A dor, porém, fulmina e não me alerta.

É sôfrega a palavra que me invade
em trajes tão secretos e prementes!
Melhor seria a dor em seu contraste
vertendo a seiva em seixos transparentes.

Viver em ti não pode ser promessa
de noite entristecida alvorecer
e nem apaga a dor que em mim professa.

Assim transcendo a busca que não cessa
e a brisa flamejante vem trazer
o aroma do pulsar que me interessa.


© Márcia Sanchez Luz


Um comentário:

  1. clubedalinguaport@gmail.com3 de fevereiro de 2008 16:57

    1760 – MÁRCIA SANCHEZ LUZ

    Homenagem Acróstica
    Por Sílvia Araújo Motta

    M-Márcia Sanchez Luz:
    A-Araras é sua terra natal!
    R-Razão familiar paulista
    C-Conduz sua vida profissional à
    I-Informática, à Refrigeração, à
    A-Alimentação e à Literatura.
    -
    S-Seu trabalho humanista
    A-Atende às crianças limítrofes.
    N-Na Capital iniciou seu trabalho
    C-Como Tradutora e Redatora...
    H-Hoje é Pedagoga e Psicóloga.
    E-Estudou Literatura Inglesa e Francesa,
    Z-Zelosa autora de Manuais Técnicos.
    -
    L-Ledora,Acadêmica,Professora!
    U-Uma POETA desde os nove anos,
    Z-Zen, participante de sites e blogs.
    -
    Fonte:
    http://www.avspe.eti.br/poetas1/marcia.htm
    http://marciasl2001.blogspot.com
    http://poemasdemarciasanchezluz.blogspot.com
    -
    Belo Horizonte, 3 de fevereiro de 2008.
    ---***---

    ResponderExcluir