domingo, 22 de junho de 2008

Crenças Seculares



A história de uma noite afoita, amor,
não cala no silêncio acolhedor.
O que provoca a dor sem rendição
é o corpo em transe tal camaleão.

Não vou fazer de mim seja o que for
para agradar-te em cena e aí compor
uma mentira vil em comunhão
com teus desejos sempre em compulsão.

Mas não te assustes não, se me encontrares
ferindo crenças ditas seculares;
nada no mundo impede alguém de ser.

Serei assim enquanto houver luares
norteando os passos, sonhos e lugares
que eu possa ainda um dia conhecer.


© Márcia Sanchez Luz

segunda-feira, 16 de junho de 2008

Leila Míccolis no Palácio Gustavo Capanema


DECADENTISMO, BELLE ÉPOQUE, MÁSCARAS E PROVOCAÇÕES AMANHÃ NO RIO

Tudo isto e muito mais em “Fulgurações de Parcerias Textuais”, de 17 a 19 de junho, sendo que, amanhã, dia 17, será no Palácio Gustavo Capanema (das 9:30 às 12 h. e das 14 às 16:30 h), 7º andar, Auditório Muniz Aragão; e, nos demais dias, no Auditório Biblioteca Nacional (entrada pela rua lateral). Leila Míccolis apresentará seu ensaio “Parcerias Lyrio-líricas” das Mulheres brasileiras da Belle Époque, no primeiro dia (17), das 14 às 14:30 h.

sexta-feira, 13 de junho de 2008

quinta-feira, 12 de junho de 2008

Cirandando com a AVSPE


Ciranda Trovinha do Amor


Trovinha do Amor

O amor pego de surpresa,
sempre tem um travessão:
se nasce na correnteza,
nunca acalma o coração.

Márcia Sanchez Luz
12.03.08



O amor que nasce da paixão,
faz sofrer o nosso coração,
pois é pura ilusão,
como uma noite de verão.

Marilda de Almeida.
12/03/08



Se amar traz felicidade ,
Eu tenho sido infeliz .
Querendo um amor de verdade ,
Amando quem não me quis.

Manoel Virgílio
12/03/08



O amor não manda recado,
toma conta do nosso coração
e não quer ser contrariado,
não pensa e ignora a razão...

Naidaterra
12/03/08



O amor surge repentino
A esquentar ao coração
Não sei se é o destino
Mas me tira toda a razão.

Antonio Cícero da Silva
13/03/08



Quando surge devagar
O amor cria alicerces
Tem raízes para amar
Jamais ele arrefece!

Luíza Soares Benicio de Moraes
13/03/08



O amor comete desatino,
nos faz perder a razão.
Talvez seja coisa do destino
eu sentir tamanha paixão!

Ilze Soares
14/03/08



Quando o amor acontece faz
Tremer o corpo que arde de Paixão
deixando um brilho especial no olhar
fazendo feliz o coração.

Nancy Cobo
14/03/08



CANÇÃO DE AMOR

Vamos cantar a canção...
Uma doce canção de amor,
que encanta o coração,
e à alma traz calor...

Marcial Salaverry
14/03/08



O amor é o caminho mais perto
Do céu para alguém encontrar
Eu já encontrei o meu céu
Tenho você para amar

Eri
14/03/08



Eu prossigo o meu caminho,
procurando um grande amor
que me envolva em seu carinho
e me aqueça em seu calor!

Gislaine Canales
14/03/08



O amor é mesmo danado
quando quer entrar em ação
não se faz de rogado
mexe fundo no coração...

Cássia Vicente
18/03/08



Um grande amor sempre faz
Ser-se feliz e mais seguro:
Quando eu amo, amo demais,
Sem passado e sem futuro.

Ieda Cavalheiro
Porto Alegre/RS, 03/05/2008.


O Amor.

Palavra quente que esquenta
agente e sobe labaredas,
em meu peito, suado e
cansado dos seus beijos.

Sávio Assad
04/05/2008



O Amor...

...chega assim sem sobre aviso,
causa turbilhão de sentimentos.
Traz nos seus lábios um sorriso,
final feliz de nossos momentos.

Anna Müller
04/05/2008



Acabei de perder a razão
Ao entregrar-me com todo amor
Agora sofre o meu coração
Chorando lágrimas de saudades e dor

Catarina
05/05/08



Amor que o tempo não apaga,
é esse que sinto por ti;
A saudade sempre o afaga
numa ternura sem fim.

Angela Conde



O AMOR...

O amor... ah, o amor !
chegou meio sem jeito,
foi ofertando gotas da paixão,
por fim, cravou morada no peito!.

Socorro Lima Dantas
Recife/PE
06/05/2008



A FORÇA DO AMOR

Quando nasce o amor no peito
do jeito que ele vem
convém ser tudo perfeito
no peito d'outro alguém.

Jorge Linhaça



domingo, 8 de junho de 2008

Flor Anciã



Espero-te em meu barco de manhã,
depois que a brisa e o canto se encontrarem
e te contarem sobre a flor anciã,
que fez meus olhos toda a dor secarem.

Espero-te em silêncio, no amanhã,
depois que a sombra fria e o ardor findarem.
E que tu venhas me encontrar, Titã,
mesmo se sol e lua te ofuscarem.

Então eu poderei de amor falar!
E nem que seja só por um instante,
bastar-me-á que saibas me escutar.

E vais me compreender e me beijar!
Da flor anciã guardei esta semente,
para que sintas Eros te embalar.


© Márcia Sanchez Luz

Ao Som de Madrigais, na Rádio Arinfo

Ao Som de Madrigais, de Márcia Sanchez Luz, é apresentado pela Rádio Arinfo, da Argentina



O programa 'Poesía Y Algo Más', sob o comando de Maria Elena Sancho, apresentou o soneto "Ao Som de Madrigais", de Márcia Sanchez Luz, declamado por Paulo Monti.