sábado, 16 de janeiro de 2010

Atitude - Soneto de Márcia Sanchez Luz



Não gosto de falar do que é banal
nem sei gostar do paladar imposto
(que altera a face do sabor composto
da vida em sua forma natural).

Não gosto de falar do que é causal
se não puder sanar o mal exposto;
nutrir a dor que transfigura o rosto
é perigoso, além de irracional.

Na vida busco sempre alternativas
que me assegurem o pulsar das veias
e me garantam sobras, se à deriva.

Assim o vento chega como brisa,
a dor imensa fica suportável
e a causa do tormento se ameniza.


© Márcia Sanchez Luz

32 comentários:

  1. Desta vez Márcia não foi só a poeta consagrada. Falou claramente o que pensa da vida.

    Beijos.

    ResponderExcluir
  2. Márcia valoriza o soneto sem enfeitá-lo com firulas e lantejoulas, menos ainda metê-lo numa fôrma.
    Deixa que flua, sustenta o ritmo com delicadeza e deixa, às palavras, espaço para que se acomodem cúmplices, como que escondendo segredos. Em "Atitude", os de uma lição de vida.

    ResponderExcluir
  3. márcia amada, é sempre uma delícia visitar o seu imaginário, visitar suas idéias e deparar com o imaginário de seus convidados.
    milhão de beijos. urha

    ResponderExcluir
  4. Lindo! A imagem combina com a palavra e tudo combina com sua atitude perante a vida.
    Márcia, gosto muito do seu trabalho e ele só é bom porque você é uma pessoa que está sempre em busca do melhor.

    ResponderExcluir
  5. Parreira, feliz com sua visita, aproveito para agradecer pelo comentário deixado no site da Protexto.
    Obrigadíssima! Sempre!

    Beijos

    Márcia

    ResponderExcluir
  6. Jorge, já estava com saudades dos seus comentários ;-)
    Obrigada pelo carinho de sempre!

    Beijos

    Márcia

    ResponderExcluir
  7. é um sincero e profícuo modo de ser, em se podendo.

    ResponderExcluir
  8. Caio, os segredos estão guardados nas "gavetinhas de Dalí" ;-)
    Você sempre me emociona com suas palavras, viu? Este comentário já tem lugar reservado...
    Obrigada.

    Beijos

    Márcia

    ResponderExcluir
  9. Urha, que bom que você veio!
    Costumo dizer que os comentários de meus convidados é que fazem de cada poema uma joia rara.
    Obrigada pela deliciosa visita.

    Beijos carinhosos

    Márcia

    ResponderExcluir
  10. Puxa, Mônica, isto é para guardar no coração! Assim você me comove demais, querida.
    Obrigada por seu carinho e seja muito bem-vinda. Sim...volte sempre!

    Beijos carinhosos

    Márcia

    ResponderExcluir
  11. A gente pode...é só tentar ;-)
    Obrigada pela visita, poetamigo Adroaldo!

    Beijos

    Márcia

    ResponderExcluir
  12. Oi querida, passei por aqui, li sua Atitude que eu já conhecia e te mando um beijo carinhoso. Leila

    ResponderExcluir
  13. Leila querida, obrigada por ter vindo, mesmo já conhecendo "Atitude".
    Valeu. E muito!

    Beijos muitos, com carinho

    Márcia

    ResponderExcluir
  14. Márcia, adorei o poema. Faço minhas as palavras do Caio Martins sobre a tua poética.
    Mas observe esses comentários:

    "Não gosto de falar do que é banal
    nem sei gostar do paladar imposto"

    Pois é, Márcia, da cidade da banalidade a fofoca é a prefeita...

    "Não gosto de falar do que é causal
    se não puder sanar o mal exposto"

    Melhor deixar esses tipos de assunto pra falarmos só com nossos Psicólogos; eles têm os métodos para trazer as causas à tona e ajudar a lidarmos com o mal que se expõe

    "Na vida busco sempre alternativas
    que me assegurem o pulsar das veias
    e me garantam sobras, se à deriva"

    Fora da exatidão da física, nem sempre a menor distância entre dois pontos é uma linha reta; na vida aventuramos por quebradas, estradinhas vicinais para chegarmos ao ponto desejado. Leva mais tempo, mas normalmente a paisagem é mais bonita

    "Assim o vento chega como brisa,
    a dor imensa fica suportável
    e a causa do tormento se ameniza"

    Taí a metáfora da grande meta dos homens de bem, sem ganância, que só almejam levar uma vida dígna, desfrutando das coisas simples e essenciais como a brisa, o calor humano: bálsamos que amenizam as dores

    Parabéns pelo belíssimo soneto repleto de filosofia & lirismo, Márcia

    Beijão do Chico

    ResponderExcluir
  15. Marcia,
    Pessoas especiais, como você, jamais conseguirão falar ou escrever coisas banais ou casuais!
    Aplaudo, mais uma vez, um poema seu.
    Abraço,
    Gilia

    ResponderExcluir
  16. Não gosto de falar do que é banal


    Grande Márcia, outro soneto profundamente reflexivo, onde já na primeira frase diz o que é uma realidade sua e minha, tenho sim, pavor de banalidades, coisas frívolas.
    Todas as alternatyivas, são na verdade, sempre ás mais acertadas das atitudes do ser humano.
    BRAVO POETA!

    Efigênia Coutinho

    ResponderExcluir
  17. Chico, estou boquiaberta...rss... Você inicia os comentários de forma hilária e, no final, metamorfoseado, dá a sentença final! Adorei!
    Obrigada pelo carinho com que trata meus sonetos, poetamigo.

    Beijão

    Márcia

    ResponderExcluir
  18. Obrigada, minha querida Gilia!
    Você também é uma pessoa muito especial e cheia de luz.

    Beijos, com carinho

    Márcia

    ResponderExcluir
  19. Efi querida, é tão bom quando encontramos pessoas com a mesma visão de mundo! A gente se sente menos só nesta vida.
    Obrigada pelo carinho de sempre.

    Beijo carinhoso

    Márcia

    ResponderExcluir
  20. Belíssimo ritmo. Métrica impecável. Fecho de ouro. Tema instigante. Tudo resultou num soneto primoroso.
    Um beijo
    Parabéns!
    Prossiga!
    do amigo de sempre
    Airo Zamoner

    ResponderExcluir
  21. Márcia,
    Muito linda a sua "Atitude", a sua alternativa diante da vida! Sem banalidades, sem irracionalidades! Assim o pulsar das veias, assim a brisa, assim se ameniza a dor!
    Muitos beijos,
    Leninha

    ResponderExcluir
  22. Airo, obrigada por sua presença e pelo carinho costumeiro de suas palavras.

    Um beijo

    Márcia

    ResponderExcluir
  23. Leninha querida, que gostoso te ver por aqui!
    Obrigada por ter vindo e deixado seu carinho registrado. Volte sempre, tá?

    Beijos carinhosos

    Márcia

    ResponderExcluir
  24. poema seu é sempre completo, perfeito, lindo

    ResponderExcluir
  25. E comentário seu é sempre uma honra, querido Rogel.
    Obrigada.

    Beijos

    Márcia

    ResponderExcluir
  26. Belíssimo poema, cara Márcia! Gostei de tudo, da cadência e ritmo, das imagens, da luz suave que impregna as letras (parecem cintilar, suavemente, as palavras!). Deixo meu abraço alado, o convite para que vás conhecer meu espaço de azuis, e votos de um ano pleno de poesia! Tomarei a liberdade de linkar teu blog lá no meu, ok?

    ResponderExcluir
  27. Márcia,

    que sabedoria esta sua de não ficar agarrada a enroscos!
    Sem mencionar o domínio da forma, numa expressão solta, do jeito que se fala com as pessoas.
    Bom de ler e bom de pensar depois.
    Abraço da Aracéli.

    ResponderExcluir
  28. Analuka, seu blog é muito lindo, viu? Também já fiz o link por aqui.
    Obrigadíssima por seu carinho.

    Barbara, grata pelo registro de sua visita. Volte sempre!

    Aracéli, um passarinho me contou que você esconde preciosidades...rss... Vamos lá, moça, quero ler seus poemas!
    Fiquei feliz demais com seu carinho. Venha me visitar sempre que puder e quiser, está bem?

    Beijabraços, com carinho,

    Márcia

    ResponderExcluir
  29. A característica fundamental da poesia pra mim ´a INTENSIDADE. O teu soneto é todo intenso. Lindo, Marcia!

    ResponderExcluir
  30. MÁRCIA, HE RECORRIDO TU POESÍA Y ES MUY BELLA Y DE GRAN CALIDAD
    NOS LEEMOS
    UN BESO
    FERNANDO

    ResponderExcluir