sábado, 20 de março de 2010

Soneto para o Dia Mundial da Poesia*


Poesia


Ninfa - João Werner


Vem pra cá, minha Poesia!
Diz o que devo fazer
durante estas noites frias,
quando é difícil viver!

Traz de volta o som que havia
nas notas do alvorecer,
nos semitons de outros dias
que me faziam vencer

manhãs de rondas infindas
(entre emoções e razões)
dentro de meu existir.

E assim o dia que brindas
será de intensas paixões
num corpo inteiro a sorrir.

© Márcia Sanchez Luz



*21 de março é a data decretada pela UNESCO para comemorar o Dia Mundial da Poesia.

31 comentários:

  1. Poesia maravilhosa, belas palavras ao dia de quem me dá vida, alento, harmonia e emoções...
    Parabens

    bj

    ResponderExcluir
  2. Como me toca este poema, Márcia. Belíssimo. Nos faz ter esperança. Beijos.

    ResponderExcluir
  3. A segunda quadra emendando com o primeiro terceto dá uma especial elegância ao soneto, como sempre, excelente.

    Beijos
    Jorge

    ResponderExcluir
  4. Traz de volta o som que havia
    nas notas do alvorecer,
    nos semitons de outros dias
    que me faziam vencer.

    Márcia, bela homenagem num belo soneto para comemorar o dia mundia da poesia.
    Meus PARABÉNS A POETISA MÁRCIA,
    Com admiração,
    Efigênia Coutinho

    ResponderExcluir
  5. "Vem pra cá, minha Poesia!
    Diz o que devo fazer
    durante estas noites frias,
    quando é difícil viver!"
    (MSLuz)

    Minha querida marcia, irmã das letras: sempre que leio seus poemas recupero a esperança de que o mundo se torna melhor com a poesia. Parabens, minha amiga por ilustrar o seu poema combos traços poeticos do João Werner. Tudo belo demais. Bjos de luz e paz em Ñanderu, Grauninha

    ResponderExcluir
  6. Seus poemas são realmente muito especiais. Não parecem sair da pena da escritora, mas sim de sua alma.

    Sou seu fã!

    ResponderExcluir
  7. Márcia!
    Um magnífico poema!
    Com uma rima deliciosa.
    Adorei ler!
    Beijos!

    ResponderExcluir
  8. Cíntia, é um prazer imenso tê-la aqui para celebrarmos um dia tão especial.
    Obrigada, querida.

    Beijos carinhosos

    Márcia

    ResponderExcluir
  9. Esperança é o que mais precisamos ter, não é mesmo, Nydia?
    Que a nossa Poesia possa nos dar alento!
    Obrigada pela carinhosa visita.

    Beijos

    Márcia

    ResponderExcluir
  10. Obrigada pelo carinho das palavras, Jorge. Sua presença é sempre motivo de muita alegria, viu?

    Beijos

    Márcia

    ResponderExcluir
  11. Efi querida, que bom vê-la por aqui.
    Que através da Poesia possamos celebrar a Vida!
    Obrigada pelo carinho.

    Beijos

    Márcia

    ResponderExcluir
  12. Grauninha, minha querida, há tempos estava para publicar uma tela do João...e hoje achei que "Ninfa" seria uma bela ilustração para "Poesia". Fico feliz que tenha gostado.
    Suas palavras soam como carinho em meu coração!
    Obrigada, poetamigairmã.

    Beijos carinhosos

    Márcia

    ResponderExcluir
  13. Tércio, assim você me deixa muito comovida! Obrigada pelo carinho da leitura e pela generosidade de suas palavras.

    Abraços

    Márcia

    ResponderExcluir
  14. Oi Mariano, obrigada por deixar sua presença registrada de forma tão bonita.

    Abraços

    Márcia

    ResponderExcluir
  15. Cenário mágico, e como quem chama um filho, um bichinho, um amor, inicia-se místico jogo de roda:

    Vem pra cá, minha Poesia!
    [...]

    Ao fundo, inefáveis e intangíveis crianças girando:
    [...]
    Vem cá, vem cá, vem cá
    Não vou lá, não vou lá, não vou lá
    [...]

    E assim o dia [...]
    será de intensas paixões
    num corpo inteiro a sorrir...


    Cai o pano, num telão do nosso querido poeta das cores e das tintas João Brasileiro Werner. Temos de respirar fundo, antes de aplaudirmos...

    Márcia, é tão difícil falar de poesia, quanto de Márcia: muito difícil parar, dado que a segunda é a primeira, ela própria, e reciprocamente.

    "Diz o que devo fazer"...

    .

    ResponderExcluir
  16. Caio, Caio...que coisa linda que você escreveu! Estou aqui sem palavras, tamanha a emoção que seu texto me causou. Sabe quando a gente entra na roda e não consegue sair? Pois é...

    "Diz o que devo fazer..."

    Devolvo a pergunta, como numa ciranda...

    João Werner é fera, não é mesmo? E brasileiro!! Sorte a nossa...rss...

    Obrigada, do fundo do coração, por este carinho literário que me embala ao final do dia.

    Beijos carinhosos

    Márcia

    ResponderExcluir
  17. Olá poetisa Marcia, eu a saúdo!
    Um poético soneto de poética irretocável.
    Parabéns!
    Um fraterno abraço,
    Manoel Serrão.

    ResponderExcluir
  18. Márcia, assim como em todas as suas obras, é possível sentir o que está escrito. Você mostra com clareza a busca do poeta por inspiração, a qual deve ser traduzida em palavras e melodias.
    PARABÉNS!

    ResponderExcluir
  19. Bruninha, que gostoso te ver por aqui! Obrigada pelo teu carinho, querida.

    Beijos muitos

    Márcia

    ResponderExcluir
  20. Manoel, gratíssima pela generosidade de suas palavras. Volte sempre que quiser.

    Abraços

    Márcia

    ResponderExcluir
  21. Rizolete Fernandes22 de março de 2010 11:14

    Menina, Menina,

    Você continua inspirada. Lindo!!!

    Rizolete

    ResponderExcluir
  22. Márcia,
    os seus sonetos são sempre agradáveis de ler, sejam eles dedicados ou não, dedicado então ao Dia Mundial da Poesia tem um sentido muito maior e profundo.
    Parabéns especialmente para você poetisa de mão cheia.
    Parabéns!
    Mauro Lúcio de Paula

    ResponderExcluir
  23. Este seu apelo, seu convite clamando pela Poesia é, certamente, atendido pelo privilégio que é dela, por ser tão bem cultuada por você, Márcia, minha poeta predileta. E o "som que havia nas notas do alvorecer", já retornaram e encantam seus ouvidos, como aos meus encanta a cada nova obra prima que você produz.
    Um beijo]
    Airo Zamoner

    ResponderExcluir
  24. ;-) Obrigada pela leitura, Rizolete. Apareça sempre que puder, querida.

    Beijos

    Márcia

    ResponderExcluir
  25. Oi Mauro, estava sentindo sua falta por aqui. Fico muito feliz e grata por sua presença e pelo carinho que tem com minha poesia.
    Obrigada, poeta!

    Abraços

    Márcia

    ResponderExcluir
  26. Airo, fico muito honrada com sua presença e com a generosidade e carinho com que trata meus poemas. Você definitivamente tem o dom de me comover!

    E por falar em Obra Prima... Este seu soneto faz jus ao título...

    "...Com meus dedos moldei a fria massa,
    insípida, incolor e enfim disforme.
    Suavemente aquele gesso enorme
    Tornou-se estético, obtendo graça.

    Por mais, porém, que eu lute e ainda faça;
    por mais que aperfeiçoe e ainda a forme,
    a massa é fria, é incolor e dorme!
    O meu labor mais uma vez fracassa!

    Então largo o cinzel, vou às estrelas!
    (E que fartura de beleza há nelas
    que me extasio em me quedar a vê-las),

    E o seu luzir penetra nas janelas
    e nas estátuas brinca. Ao envolvê-las
    faz palpitar a vida em todas elas!"

    (Airo Zamoner)

    Um beijo carinhoso

    Márcia

    ResponderExcluir
  27. Olá Márcia,

    Fico muito honrado pelos comentários que li em teu blog.
    Agradeço muito por haver exibido minha Ninfa, primeiro junto ao teu belo poema, depois para tão culta e seleta audiência.

    grande abraço

    ResponderExcluir
  28. Querida, descobri que seus sonetos têm gostos diferentes, dependendo de onde brotem: em Blocos, senti gosto de cereja, aqui, de uva... Ainda bem que gosto das duas... rs. Bjs, Leila

    ResponderExcluir
  29. Leila querida, adorei a estória dos sabores...rss... Coisa boa saber que este soneto tem gosto bom pra você ;-)
    Obrigada, dinda minha do coração!

    Beijos carinhosos

    Márcia

    ResponderExcluir
  30. OLá minha cara amiga!

    lendo-te...

    um lindo convite a poesia! como sempre, magistral!

    abraço terno a ti e lindo finalde semana!

    daufen bach.

    ResponderExcluir
  31. Lendo teus últimos poemas, escolhi este para comentar deixando um beijo e meu voto de - Muita Poesia Sempre!

    ResponderExcluir