sábado, 2 de julho de 2011

Turbilhão no céu - Soneto de Márcia Sanchez Luz


Imagem: Young World, Inga Nielsen


O céu estava assim, sem desencontros:
pariu o sol e a lua em pleno dia,
mostrou a criação que contagia
e não deixou de achar que estava pronto

para fazer da tarde, mais que encontro,
um turbilhão de cores e magia,
como se fora aberta galeria
a quem quisesse olhar de longo a longo

a vida escrita pela natureza.
Foi como o despertar de uma esperança
que morta se mostrava. Era a beleza

expondo seu vigor, toda a pujança
(tão própria de quem luta e sempre brilha)
pois que é imortal guerreira e não se cansa!


© Márcia Sanchez Luz



35 comentários:

  1. E o que seria de nós sem ela, a Beleza?

    ResponderExcluir
  2. Marcia
    Sua poesia lembra o espetáculo da natureza que ela insiste em nos ofertar, inspirar... e advertir.
    Advertir? Nestes tempos danosos, ainda bem que é ela "imortal guerreira e não se cansa". Homenagens. Milton Martins.

    ResponderExcluir
  3. Aracéli Martins2 de julho de 2011 17:55

    Olhos que vêem e entendem com o coração essa visão. Acima de nós, à nossa volta o mundo se oferece em espetáculo e sentido. Bom existirem pessoas como a Márcia que nos alertam os olhos e os ouvidos para a vida profusa e pródiga, para o trabalho sem descanso do mundo.

    ResponderExcluir
  4. Marcia,só há beleza no verso quando a emoção nos encontra e os seus trouxeram-me lágrimas de alegria ao descrever a rotina de um dia.

    Vc não precisa de loas, mas te acarinho porque és impar em versar bonito.

    Um terno abraço, querida Poeta.


    NA: Ando ausente por conta da grave enfermidade de minha mãe. Perdoe-me os silêncios!

    ResponderExcluir
  5. PARABÉNS Márcia, hoje leio um Soneto Estrelar, onde na magia dos Astros Sol e Luar,
    você compõe uma sinfonia de palavras , entre o Céu, o Sol e o Luar!
    Gratificante ler , e repassar, tão bela obra poética,
    Com admiração,
    Efigênia Coutinho

    ResponderExcluir
  6. Diria, não fosse demasiadamente singelo, que em "Turbilhão no céu" Márcia se autorretrata não só por ser uma força da Natureza, mas, principalmente, pela criatividade, sensibilidade e inteligência humanas. Há que ler com atenção, pois que nas entrelinhas a universalidade fala de fatos essenciais. É, ao mesmo tempo, solene sinfonia e festeiro brinquedo de roda...

    ResponderExcluir
  7. Um belo canto à Vida, Márcia.
    O último verso lembra bem Vinícius de Moraes, que sei ser você uma admiradora.
    Sensível poema! O que não é novidade.

    Beijos,
    Jorge

    ResponderExcluir
  8. " Foi como o despertar de uma esperança / que morta se mostrava..." - belíssimo soneto, cuja métrica decassilábica parece ritmar a emoção de uma artista que prima pela sensibilidade.
    A poesia de Márcia é assim: respira palavras.
    Lindo, ritmico, métrico, mágico.
    Parabéns, poeta, pessoa, artista Márcia Sanchez Luz.
    Com carinho, respeito e admiração.
    Luiz Poeta - Rio de Janeiro - Brasil

    ResponderExcluir
  9. Querida Márcia,

    a natureza, pródiga pintora,
    eleva o céu à tela de beleza,
    e vens, na tua verve encantadora,
    cantá-la em tom maior de realeza.

    Meu aplauso e meu abraço.
    Regina Coeli.

    ResponderExcluir
  10. João Coelho Santos2 de julho de 2011 21:23

    É um HINO Á CRIAÇÃO. E Deus fez o Mundo... e Márcia o pintou e cantou!

    SP - Saudações poéticas.

    João Coelho Santos - Portugal

    ResponderExcluir
  11. E ante a magnitude da natureza, a poeta pariu a poesia. Tão intensa quanto a outra.

    Um abraço
    EG

    ResponderExcluir
  12. Márcia, você continua tão poética
    que dói...
    E seu blog é tudo de bom!

    Agradeço a publicação no seu Diário.

    Valeu!

    ResponderExcluir
  13. Márcia se afirma, a cada nova publicação, como uma das melhores sonetista da Língua Portuguesa.

    ResponderExcluir
  14. Márcia,

    Excepcional soneto!
    Belo, sereno, profundo, causa um "turbilhão" de sentimentos.

    Parabéns!

    Bj.

    Carmen Pio

    ResponderExcluir
  15. Márcia,

    Incansável guerreira das letras, seus poemas, verdadeiramente, expõem a beleza das letras.
    Adoro o brilho de suas criações.

    Abraços,

    Paulo

    ResponderExcluir
  16. Cultivar, nos dias de hoje e com tamanha maestria, a forma do soneto, é algo realmente muito raro.
    Obra de ourives esta sua lavra mais recente. Meu aplauso, Márcia!

    ResponderExcluir
  17. A natureza é magnífica, beijo Lisette.

    ResponderExcluir
  18. A Natureza eternamente presente,
    E nós, quase sempre, a ela ausentes.
    Vem então a Márcia com seu lirismo,
    E do abismo eleva nossa alma a boa Luz.

    Parabéns por brindar-nos com tanta sensibilidade, e então remeter-nos ao Universo!

    Beijo

    Pedro

    ResponderExcluir
  19. Belíssimo soneto. Hoje em dia, ele se põe como o Sol no ocaso, morrendo aos poucos, mas, retorna e brilha - teu soneto - e nos enche de esperança, minha linda poetisa,
    e doce criança.

    abraços,

    Mário Scherer

    ResponderExcluir
  20. pnpinheiro@gmail.com3 de julho de 2011 22:21

    Parabéns querida!
    "o despertar de uma esperança
    que morta se mostrava"...
    Estas palavras me emocionaram!

    Belíssimo!

    Com carinho
    Maria Rosa

    ResponderExcluir
  21. Muito bom, Márcia.
    Quem luta sempre brilha.
    Grato pelo poema.
    Abração.

    ResponderExcluir
  22. frizolete@gmail.com4 de julho de 2011 10:44

    Márcia,

    Descrição da natureza, com sensibilidade e agregando tons próprios, ficou lindo. Você se desincubiu otimamente do tema, um dos meus preferidos, poeta, parabéns!

    Rizolete Fernandes

    ResponderExcluir
  23. Parabéns pelo lindo soneto ! Amiga Márcia !

    Muito sugestivo, com figuras e metáforas que envolvem a imaginação de cada leitor.

    Ialmar Pio

    clique em

    http://ialmar.blog.terra.com.br/


    Agradeço um comentário, por mínimo que seja.

    Obs. Seu blog é maravilhoso.

    ResponderExcluir
  24. >>>
    A poeta MÁRCIA SANCHEZ LUZ nos surpreende cada vez mais com seu apuro estético. Quando pensamos que já atingiu o nirvana, ela vem e nos mostra uma beleza ainda além. Sua poética ao mesmo tempo clássica e moderna, densa no espírito e fluida na voz, simples no intento e elaborada na arte, tudo isso nos dá vontade real de lê-la: dá prazer ler a Márcia!

    Fabbio Cortez

    ResponderExcluir
  25. Antonio de Campos5 de julho de 2011 23:27

    GRANDE LUZ,


    QUANDO O CÉU PARIU
    O SOL,
    TU ESTAVAS LÁ COM TUA
    POESIA AZUL.

    COMO SOU SEMIANALFABYTE,
    ESTOU TE REMETENDO ESTE E-MAIL.


    BEJUS E TAPIS

    ANTONIO DE CAMPOS

    ResponderExcluir
  26. Gostei muito do seu soneto e vou postá-lo nas "MENSAGENS POÉTICAS" e gostaria que você me enviasse o seu e-mail para eu poder enviar também para você. o meu e-mail é:
    poetaademar@yahoo.com.br

    ResponderExcluir
  27. como sempre perfeita e sempre brilha... é a beleza

    ResponderExcluir
  28. Márcia parabéns pelas lindas palavras,que descrevem a natureza mágica!!!
    Muito lindo e gostoso de sentir tudo isso no nosso coração!!

    Bjs
    Bel

    ResponderExcluir
  29. Creio ter agradecido a todos por email, mas reitero os agradecimentos. Sejam sempre muito bem-vindos a este espaço que é de todos nós!

    Márcia

    ResponderExcluir
  30. Incansável a peregrinação
    Por teus caminhos
    Que verso e reverso são

    ResponderExcluir
  31. Márcia,

    Estou comparecendo aqui pra dizer que esse soneto, a exemplo de tudo que você escreve, é muito lindo!

    Saúde e paz... Luz, você já carrega no nome!

    Um forte abraço!

    Tony Marques

    ResponderExcluir
  32. Belíssimo poema que brinda a mãe natureza e sua beleza!!!Prêmio merecidíssimo.

    ResponderExcluir