quarta-feira, 4 de abril de 2012

Delitos de amar

© Márcia Sanchez Luz

(Img: Don Juan, The Nude - Salvador Dalí)

Se dizes que me amas, acredito,
mas em seguida sinto que este amor
é idêntico na forma ao anterior:
idealizado, mais parece um mito.

Eu vejo que no amor tu és perito
assim como o poeta é fingidor:
inventas e acreditas num fervor
e dele fazes teu maior delito.

Não sei se vale a pena prosseguir
te amando como se verdade fosse
o que sentes por mim. Melhor partir,

fingir que os dois fingimos sentimentos,
que por palavras nós nos abraçamos
como se amantes fôssemos, invento.

47 comentários:

  1. Muito bom e gostoso de ler e sentir.Parabéns sempre.Bjs na alma.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigada por sua carinhosa visita, Zilda. Beijos.

      Excluir
  2. Querida Marcia: para os indígenas, mito é realidade; o mito também é carregado de mistérios e pode até explicar as ações humanas em busca da verdade subjetiva. Gosto muito do senso do mistério que habita os seus sonetos. Parabens. Grauninha

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Minha querida Grauninha, sempre digo que até os sonhos são realidade - a partir deles descobrimos tanto de nós mesmos! Assim é com o mito, pois que nos leva a questionar a realidade e entender o comportamento humano. Obrigada por vir abrilhantar este espaço e nos dar o prazer de sua companhia!
      Beijos carinhosos.

      Excluir
  3. Eu vejo que no amor tu és perito
    assim como o poeta é fingidor:
    inventas e acreditas num fervor
    e dele fazes teu maior delito.

    Estomada Poetisa Márcia, este seu Soneto de hoje, é majestoso, e essa quadra acima deslumbrante, a cada dia eu me encanto mais com seus belos Sonetos.
    PARABÉNS!
    Aproveito para lhe desejar uma
    PÁSCOA DE LUZ.
    Eu viajo amanhã, ficando 15 fora.
    Com carinho,
    Efigênia Coutinho

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Agradeço pelas palavras generosas e pelo carinho de sua presença, Efigênia. Feliz Páscoa junto aos seus, querida!
      Beijos.

      Excluir
  4. "Eu vejo que no amor tu és perito
    assim como o poeta é fingidor:
    inventas e acreditas num fervor
    e dele fazes teu maior delito".

    Que bela estrofe, Márcia. Poesia bonita é o seu soneto.
    Conte sempre com este leitor.
    Abraço.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Urariano, sua presença é sempre motivo de alegria, viu? Obrigada pelo carinho de suas palavras.
      Abraços.

      Excluir
  5. Sarava!
    Otimo!
    Super!
    Beijos
    Heitor de Pedra Azul

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Hehehe! Obrigada! Como vai o trabalho aí na França?
      Beijos.

      Excluir
  6. é um soneto interessantíssimo, clássico, em que nós nos perdemos no jogo especular entre ser e imaginar...

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Como num espelho em que por vezes confundimos se o que vemos é o que realmente somos ou o que gostaríamos de ser... É assim que surgem os questionamentos e as transformações, não é mesmo? Obrigada por deixar seu brilho neste espaço e pela gentil e carinhosa mensagem.
      Beijos.

      Excluir
  7. Oi prima,

    Gostei muito desse!

    Beijo Grande.

    Ronaldo

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ronaldo, que bom te ver por aqui, moço! Obrigada.
      Beijos.

      Excluir
  8. Márcia, sua maestria com as palavras é encantadora. Gosto da sua poesia porque a sua objetividade é até assustadora, mas é linda. Parabéns!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Mauro, obrigada pelo carinho de suas palavras. Nada melhor do que escrever sobre o que nos assusta, não é mesmo? É uma forma de exorcizar nossos temores ao invés de mascará-los... Adorei sua visita!
      Abraços.

      Excluir
  9. Mi querida Marcia: Eres una gran experta en la composición de hacer sonetos. Una de las modalidades más difíciles en la poesía, pues además de la métrica y la rima llevan una gran carga de contenido poético. Los he leído todos. Supongo que al último a que te refieres es "Delitos de amor". Es un poema precioso lleno de desilusiones y reproches que nos llevan un mucho a la desconfianza amorosa.
    Te felicito muy sinceramente.
    Un abrazo
    María Sánchez Fernández

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. María, obrigada pela leitura atenta que sempre faz de meus sonetos. Fico muito feliz com sua presença.
      Beijos.

      Excluir
  10. Márcia, Márcia, é muito bonito!
    Não me lembro que lesse coisa tão perfeita em arte e tão sugestiva, tão próximas da realidade.
    Veja o soneto de Raimundo Correa, que igual é belo, e, como o teu marca um sentimento universal:

    "Se a cólera que espuma, a dor que mora
    N’alma, e destrói cada ilusão que nasce,
    Tudo o que punge, tudo o que devora
    O coração, no rosto se estampasse;

    Se se pudesse o espírito que chora
    Ver através da máscara da face,
    Quanta gente, talvez, que inveja agora
    Nos causa, então piedade nos causasse!

    Quanta gente que ri, talvez, consigo
    Guarda um atroz, recôndito inimigo,
    Como invisível chaga cancerosa!

    Quanta gente que ri, talvez existe,
    Cuja a ventura única consiste
    Em parecer aos outros venturosa!"

    (Raimundo Correa)

    João

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. João, obrigada! É uma honra receber este teu comentário!
      Abraços.

      Excluir
  11. Mesmo sendo repetitivo, Márcia a expressão é "impecável", sobrepassando sua inigualável técnica pela profundidade dos conceitos. É universal, fala e cala fundo em quaisquer idiomas por tocar, cuidadosamente, na essência humana... As certezas geralmente imobilizam... as dúvidas, nos levam a patamares mais elevados da existência, mesmo quando "inventamos".
    Beijos, minha querida amiga.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Você disse tudo, Caio. As dúvidas provocam mobilidade, mudança, crescimento, nos levando a questionamentos e, portanto, ao autoconhecimento...
      Obrigada pela generosidade de suas palavras e pela carinhosa leitura deste soneto.
      Beijos.

      Excluir
  12. Querida, você tem a habilidade de falar de um único tema - amor - sem se repetir. Acho isso ótimo, porque é preciso ter muito fôlego e criatividade para tanto. E gostei muito dos novos visuais de seus blogs. Beijo carinhoso, Leila.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Leila, minha querida amiga, deve ser porque o amor é multiforme...rs... Obrigada pelo carinho de sua presença, que tanto me deixa feliz. Aproveito para dar-lhe, mais uma vez, meus parabéns pelo mais que merecido título de Doutora em Teoria Literária. Que venha o pós-doc!!
      Beijo carinhoso.

      Excluir
  13. Márcia, você tem sempre alguma surpresa. Desta vez foi o muito bem feito desenvolvimento do poema, como se fosse uma história.
    Fico pensando quando este nome vai explodir!
    Feliz Páscoa.

    Beijos,
    Jorge

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. A ideia do soneto é essa, Jorge - uma história contada em 14 versos. Que bom que gostou! Obrigada por seu carinho.
      Feliz Páscoa pra você e os seus.
      Beijos.

      Excluir
  14. "Gosto muito do senso do mistério que habita os seus sonetos." - Graça Graúna

    Marcia,
    Não resisti citar o comentário que nossa super Graúna fez sobre teu estilo. É exatamente o que acho. Teus poemas sempre chegam em boa hora e e fazem provocações no "imaginário" de quem te lê.
    Grande abraço, meu carinho e admiração!
    Gilia

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Gilia, é impossível resistir às palavras de nossa querida Grauninha, não é mesmo? Ela é um ser de luz, assim como você! Penso ser fundamental que a poesia provoque...caso contrário, ela corre o risco de não ser transformadora.
      E você, grande maestrina, continua regendo?
      Afetuoso abraço e muito carinho.

      Excluir
  15. "Delitos de amar", que acabei de ler, é um excelente soneto, em sintonia com a qualidade a que me habituaste.
    Aproveitei para ler outras peças poéticas tuas, que idênticamente me encantaram.

    Abraço afectuoso do amigo Eugénio

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Caro Eugénio, fico feliz com sua visita e agradeço, de coração, por seu carinhoso comentário.
      Abraços.

      Excluir
  16. Tu, sempre grandiosa em teus sonetos!
    Parabéns minha querida. Sou teu fã!!!
    Beijo no teu coração e feliz Páscoa!

    daufen bach.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigada, Daufen! Aproveito para parabenizá-lo pelo blog, riquíssimo em conteúdo. É sempre muito bom quando encontramos pessoas como você, que divulgam e reverenciam o trabalho de escritores vivos.
      Feliz Páscoa junto aos seus!
      Beijos.

      Excluir
  17. Um presente pascal a todos nós. Grande abraço gaúcho.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Feliz com sua presença, Antonio.
      Tenha, junto aos seus, uma abençoada Páscoa!

      Excluir
  18. O início é tenso mas o final é maravilhoso, Márcia!

    Meus parabéns, (perdoe-nos a redundância, rssss) querida escritora!

    Feliz Páscoa!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigada pelo carinho de sua presença, querida.
      Beijos e uma feliz e abençoada Páscoa junto aos seus!

      Excluir
  19. Rizolete Fernandes6 de abril de 2012 17:03

    Ôi, Márcia!
    Ante a eterna dúvida sobre o sentir-se amado, a invenção do delito: Delito de amar. Muito bacana a sacada!
    Abraços de Páscoa,

    Rizolete

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Melhor do que a invenção do delito é sua sensibilidade e inteligência para ir ao ponto central do soneto, Rizolete ;-)
      Muito obrigada por sua leitura atenta, querida.
      Beijos e Feliz Páscoa!

      Excluir
  20. Lindo, Marcia. Parabéns, minha poeta!
    Queria um dia poder fazer um podcast com suas poesias. Acha viável/possível?
    Um abraço carinhoso!

    Daniel Amaral
    www.amorepoesia.org

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigada, Daniel. Feliz com sua visita!
      Quanto ao podcast, vamos conversar, está bem? Agradeço pelo convite.
      Abraços.

      Excluir
  21. Que coisa linda Marcia! Parabéns pela competência e sensibilidade! Beijos

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Rita, obrigada pelo carinho de sua visita. Venha sempre. Beijos.

      Excluir
  22. Marcia: cada vez mais afiada na arte! Parabéns pelo soneto!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigada, Parreira! Parabéns pelo seu livro. Desejo que ele seja um sucesso!

      Excluir
  23. ROSSURUBU NEWS (blog)24 de abril de 2012 22:14

    Um soneto bem escrito, que fez-me relembrar momentos extraordinários! Parece ter sido escrito para mim... Parabéns, poetisa!

    ResponderExcluir
  24. Nem vou falar da forma do seu soneto, Márcia, pois você e toda a torcida do Corinthians sabem que ela é um primor. Mas quando se olha pra esse conteúdo tão denso dos fingires inerentes ao amar, você vem e nos carrega pra dentro dele sem a menor cerimônia e mostra o que seria mas não é enquanto está sendo. E é desse universo desarrumado que temos medo; as probabilidades infinitas que você acena enquanto surfa em algumas abrem um horizonte onde os mais frágeis jamais se aventuram.Mas invejam.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Aracéli querida, creio que a incerteza é o que nos move, mesmo que voltemos para o mesmo lugar e por mais assustadora que pareça... Gostei tanto de seu comentário (que aliás me deixou de queixo caído e emocionada) que o postei no Repercussão Literária.
      Obrigada por sua leitura atenta e carinhosa.

      Beijos.

      Excluir