domingo, 17 de junho de 2012

ÚLTIMO CAPÍTULO

© Márcia Sanchez Luz


(Img: Death, Inga Nielsen)


                      















A chuva cobriu meus olhos,
mas não é chuva que lava;
é chuva que vem do peito
ferido pela tristeza

de ver um ser tão amado
se definhar dia a dia.
Não há remédio que cure
o corpo cansado e fraco.

Ninguém fica pra semente,
eu sei, mas dói constatar
que somos assim tão frágeis,

prisioneiros de nós mesmos,
da carne que nos embala
o espírito atemporal.

42 comentários:

  1. Por isso, viver cada momento como se fosse o último!

    Abraços do Pedra

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. É por aí mesmo, Araceli (Pedra do Sertão)!
      Obrigada por sua presença.

      Abraços.

      Excluir
  2. Olá Márcia Sanches,

    Obrigado pelo seu convite, é sempre bom apreciar o trabalho de pessoas com tanto talento como você! :)

    A convido a conhecer um projeto de caridade que realizo, é um curso de inglês 100% gratuito em www.falandoingles.com.

    Eu também adoro mensagens românticas e poemas, és convidada conhecer o www.penseeame.com, estou certo de que irás gostar.

    Mais uma vez parabéns pelo seu ótimo trabalho!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Igor, além de escritora, sou professora e tradutora de inglês e francês. Fui conhecer seu site.
      Grata por sua visita.

      Excluir
  3. Os pais se vão, os cabelos dos amigos embranquecem, nossos alunos de outrora também têm cabelos brancos... A vida é bela como o sol que nasce e se põe num horizonte intangivel, querida Márcia. Somos todos companheiros da estrada tão longa, tão curta.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Como é doída esta fase da vida, Aracéli! Sua metáfora é perfeita, querida. A nossa est(r)ada é, ao mesmo tempo - dependendo de como a olhamos - muito longa e muito curta mesmo...
      A leitura que faz de meus poemas sempre me encanta!Obrigada.

      Beijos carinhosos.

      Excluir
  4. Também acho - todos achamos alguma coisa, mania do homem.
    Mas com tudo tem sua hora e sua vez, não adianta pular!

    Carinho,
    Jorge

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. É verdade, Jorge... O jeito é continuar e deixar que as coisas aconteçam...

      Beijos

      Excluir
  5. Márcia minha querida poeta,

    o Imaginário cada vez mais lindo e tu, sempre maestra com as palavras, dona dos sonetos...

    A vida é tão efêmera, mas eternizam-se em nós os momentos, como insights precisos. Sei que deveriamos nos acostumar a essas percas que insistem desafiar a eternidade das lembranças, mas impossível...

    Eu torço e oro para que tudo fique bem sempre.

    beijo a ti Márcia!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Sim, Daufen...e é fundamental que eternizemos cada segundo de nossas vidas. Perdas são inevitáveis e precisamos aceitá-las como parte de nossa existência.
      Obrigada pelo carinho de suas palavras.

      Beijos

      Excluir
  6. Sentimento vivenciado por vários de nós, mas que nunca nos basta.
    Como aprender o desapego a matéria?

    "Ninguém fica pra semente,
    eu sei, mas dói constatar
    que somos assim tão frágeis,

    prisioneiros de nós mesmos,
    da carne que nos embala
    o espírito atemporal"

    Disso todos sabemos, querida Márcia, mas no mesmo momento esquecemos e enquanto isso, vivamos.

    Bjs amiga

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Você está certa, Lígia. Então vivamos, procurando não esquecer da lição de casa...
      Obrigada por seu carinho, querida.

      Beijos

      Excluir
  7. Um poema prosaico contando uma história triste, de forma contida, muito simples e bela a forma, muito simples e belo, o poema. Parabéns pela forma e conteúdo, felicidade por ter a Poesia para dar forma a uma poesia que, dando beleza ao real, só pode ajudar e melhorar a realidade, mesmo perante toda a "tristeza do mundo". Beijos

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. A prosa é sempre necessária na elaboração do soneto, Francisco... Agradeço pelo carinho de suas palavras.

      Beijos

      Excluir
  8. Querida Márcia, saudosa de seus belos Sonetos, e hoje você nos brinda com uma maravilha. Muito agradecida, eu estou encantada, abraços,
    Efigênia

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Sou eu quem agradece por sua presença e generosidade das palavras, Efigênia!

      Beijos

      Excluir
  9. Simples e, por isso mesmo, profundo. Poesia triste, mas bela na forma, no ritmo e na métrica. Enfim, beleza de redondilhas. Parabéns, Poeta!!!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Encontramos beleza nas coisas mais simples da vida, não é mesmo, José Edward? Creio ser assim também na poesia. Fico muito feliz que tenha gostado.
      Obrigada! Seja bem-vindo e volte sempre que quiser e puder.

      Excluir
  10. Márcia essa é uma realidade muito bem explicitada por quem sabe. Parabéns somos de fato frágeis.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Fico grata com sua presença, Antonio. Somos frágeis e fortes ao mesmo tempo, como se a cada instante de fragilidade nos fortalecêssemos.

      Abraços

      Excluir
  11. Não te aflijas amiga, assim se contrói a eternidade, perene como teus versos.

    Deus te abençoe,

    Caminha

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigada pela palavra amiga, Caminha. Escrever é como exorcizar todos os medos.
      Fique com Deus.

      Excluir
  12. Estimada y admirada amiga Márcia:
    Gracias por tus correos y por tus magníficos poemas, que leí con gran interés y satisfacción. Enhorabuena.
    Un abrazo fraterno y solidario
    Carlos Benítez Villodres
    Málaga (España)

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Grata, caro Carlos, pelo carinho costumeiro de suas mensagens.

      Abraço fraterno.

      Excluir
  13. Márcia, na eloquência de palavras simples, nos traz um rito de passagem. Um "tudo se perde, nada se transforma" que destrói talvez ilusões. Ou, quem sabe, com o ciclo das coisas o inconformismo, taça (amarga) que, frágil, supõe o traspasse como novo primeiro capítulo de nova saga.
    Nas entretelas inconsúteis da forma, uma mensagem de amor. Perfeito!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Caio, você foi ao cerne do soneto. Ritos de passagem podem ser prazerosos ou tristes demais, porém fazem parte de nossas vidas, nos ensinam a crescer... Que lindo o que você diz aqui! Deixo uma sugestão para que dê linha a este seu texto, fazendo dele uma prosa ou um poema, pode ser?
      Obrigada pela carinhosa e atenta leitura.

      Beijos

      Excluir
  14. Rizolete Fernandes18 de junho de 2012 10:25

    Olá, Márcia!

    Você captou e nos repassa,com maestria e beleza, a tristeza de vermos um ente querido definhando. Sem que possamos impedir que o fim se consuma, impotentes e sabedores da lei da vida, que contém a morte.
    Seu soneto me tocou, mormente por estar vivenciando o alheamento à vida a que foi levada pessoa próxima e mui querida.
    Meu abraço,
    Rizolete

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. O soneto é simples, mas diz do que estou (estamos) sentindo e vivenciando no momento – dói demais, não é mesmo? E nada podemos fazer, a não ser dar carinho e amor...
      Obrigada por sua carinhosa mensagem. E que Deus te dê forças!

      Beijos

      Excluir
  15. FEITO AVE
    Edir Pina de Barros

    Nos ermos entre a rosa e seus espinhos
    existe um mundo denso, indecifrável,
    cortado por veredas, mil caminhos,
    etéreo como os sonhos. Impalpável!

    Um mundo onde o tempo é interminável,
    sem sentimentos sórdidos, mesquinhos...
    sem dores. Sem penares. Inefável!
    Aonde vamos todos, aos pouquinhos...

    E assim a vida explode no universo,
    transcende a vil matéria, voa aos céus
    cortando seus espaços, feito nave.

    Quando o poeta canta e chora em verso
    esgarça desse mundo, seus mil véus
    e voa nos seus céus, qual fosse ave.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Que lindo soneto, Edir! Posso publicá-lo no blog Márcia Sanchez Luz?
      Grata pela partilha.

      Abraços

      Excluir
    2. Claro que pode. Marco tem razão... seus poemas e sonetos são de beleza ímpar. Abraços, Edir

      Excluir
  16. Márcia, cheguei ao teu blogue já nem sei como, mas li alguns poemas e gostei muito.
    Parabéns pelo talento que as tuas palavras revelam.
    Beijo.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Nilson, também fui ao seu blog e gostei bastante do que li. Voltarei mais vezes para ler seus poemas.
      Obrigada pela gentileza de suas palavras.

      Excluir
  17. Amiga, eu acho que a poesia muitas vezes alivia fardos: ela não cura o mal do doente, mas alivia o sofrimento de quem a escreve. Beijos para você nesta hora tão difícil, querida. Leila

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. É verdade, querida... Ainda bem que temos a poesia para exorcizar algumas dores, não é mesmo? Lembrei agora daquele meu soneto, "Escrever":

      Escrever é sorver a dor aos poucos,
      é contar a si próprio o que bem sabe,
      mas que aflige demais! Por ser tão louco,
      faz que a alma, em torpor, logo desabe.


      Obrigada, minha queridíssima amiga, por seu carinho constante, por estar sempre presente em minha vida.

      Beijos carinhosos.

      Excluir
  18. A fragilidade nos faz crescer, beijo Lisette.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Não sei se é a fragilidade, Lisette...diria que a dor nos faz mais fortes - e você é um grande exemplo de força!

      Beijos.

      Excluir
  19. Adorei o blog, muito lindo, amei tudo. Parabéns mesmo, vou sempre estar aqui (:

    ontendency.blogspot.com

    ResponderExcluir
  20. Minha querida amiga/poeta Márcia Sanches Luz. Recebi a sua visita e estou aqui para retribuir a sua presença tão querida na nossa home page www.sardenbergpoesias.com.br o nosso Alma de Poeta. Caminhei pelas lindas alamedas de seu espaço virtual,vislumbrei-me com a beleza dos seus poemas, com o colorido de suas página, com tudo enfim... Parabéns pelo lindo trabalho que você disponibiliza aos leitores virtuais sedentos de espaços ricos em conteúdo, beleza e encantamento. Seu amigo - Antônio Manoel Abreu Sardenberg

    ResponderExcluir
  21. Muito obrigada por sua presença, caro amigo e poeta Sardenberg. Passear pelo Alma de Poeta é sempre prazeroso.

    Abraços

    ResponderExcluir
  22. Saber que tudo tem fim, é o que permite recomeçar cada dia, despertando de novo! Acontece, com poesia, a qualquer momento! Despertaste-me este comentário ;) Muita poesia, força e energia! Bjs

    ResponderExcluir
  23. Márcia, boa noite. Lindo e dolorido soneto. Um beijo e que Deus te abençoe.

    ResponderExcluir