terça-feira, 5 de março de 2013

Liberdade


© Márcia Sanchez Luz

Img: Ninfa Azul Sonhando - Ana Luisa Kaminski





















Para alcançar-te em mares, destemido
senhor dos próprios atos, como faço?
Se vou buscar-te a nado, adormecido
fica meu corpo todo. E sem teus braços

como é que posso estar sem ti comigo?
Ao te buscar descubro que o fracasso
é não tentar (ainda que o castigo
venha) lutar pelo meu próprio espaço.

Assim nos é possível prosseguir
(mesmo que por caminhos diferentes)
a vida que escolhemos partilhar.

Amor não é tristeza a nos trair        
os sonhos e os desejos mais ardentes.
Quem tem grilhões não sabe o que é amar.

26 comentários:

  1. Novamente Márcia Sanchez Luz nos oferece o mimo de sua inspiração no soneto Liberdade, muito bem composto na métrica, nas rimas e no conteúdo. Meus parabéns a ela por mais esse magnifico trabalho.

    Humberto Rodrigues Neto
    São Paulo - Brasil
    05/03/13

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Humberto, saiba que a recíproca é verdadeira. Seus poemas são belíssimos. Agradeço a gentileza de suas palavras e o carinho de sua visita.

      Abraços.

      Excluir
  2. Belo soneto, Marcia!

    Bjs

    Eliane Triska

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigada, Eliane. Fico feliz que tenha gostado do soneto.

      Beijos.

      Excluir
  3. Belíssimo e perfeito. Não vou escrever mais nada hoje: estou com uma vontade danada de me suicidar. Por puro cansaço e decepção com as mulheres. Como os homens não me apetecem, estou num beco sem saída: resta-me o gato. Vamos assistir um filmizinho de desenho, pra ver se esta sensação passa. Eu quero amar de novo!!!!!!!!!

    Tenho uns trabalhos para você.

    Ex-Cicero Melo

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. ;-) Opa, faz isso não! Falando sério...obrigada por ter vindo! Quanto aos trabalhos de tradução, mande por email, está bem?

      Excluir
  4. FANTÁSTICO! eus aplausos poeta teu blogger é maravilhoso!
    Beijos ternos e meus aplausos pelo talento!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Que bom que gostou deste espaço, Celina. Obrigada por seu carinho. Volte sempre que quiser, será sempre muito bem-vinda!

      Beijos

      Excluir
  5. Parabéns, querida poeta. Ficou lindo o seu soneto, recende a mar e a amar...

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Daniel, agradeço de coração por suas palavras. Em breve farei uma visita ao seu espaço.

      Abraços.

      Excluir
  6. Respostas
    1. Gratíssima. Venha sempre que tiver vontade. A casa é de todos.

      Excluir
  7. Sempre me encontro um pouco em seus poemas!!!Belo,verdadeiro.Parabéns sempre e minha solidariedade.Bjsss

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Zilda, é tão bom quando existe essa afinidade, não é mesmo? Obrigada por todo seu carinho, querida.

      Beijos.

      Excluir
  8. São poemas como estes que me fazem afirmar que Márcia é - sem sombra de dúvidas - uma das mais importantes poetisas da língua portuguesa. Gostei muito, e agradeço a partilha! Abraços, minha amiga querida!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Caio, agradeço do fundo do coração por suas gentis palavras, que muito me honram.

      Beijos.

      Excluir
  9. Oi Márcia!
    Sonoridade, rimas, métricas, uma viagem em qualidade e poesia.
    Beijão minha queria amiga!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigadíssima, Mariano. Fico feliz com sua visita!

      Beijos.

      Excluir
  10. Você é uma grande poetisa pois sua organização poética,sonoridade,ritmo e beleza e são magnificos.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Muito obrigada, Pensador Romântico. Seja bem-vindo a este espaço.

      Excluir
  11. Olá Márcia!
    Belo Soneto. Parabéns.
    www.josehiltonrosa.recantodasletras.com.br

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Grata, José Hilton. Estive vendo sua página no Recanto das Letras, onde voltarei mais vezes.

      Excluir
  12. Uma Páscoa iluminada beijo Lisette.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Lisette, só hoje recebi seu comentário. Espero que a Páscoa junto aos seus tenha sido abençoada.

      Beijos.

      Excluir
  13. Querida Márcia:

    Fracasso, espaço... e as armas pelo chão
    muitas vezes libertam o coração.

    Belo soneto em profunda mensagem.

    Abraço sempre fraterno de Regina Coeli.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Regina querida, acabo de vir de seu blog, onde deixei um comentário sobre a última postagem. Que delícia de poema!
      O coração precisa estar sempre liberto, não é mesmo?

      Beijos e muito obrigada por sua presença.

      Excluir