segunda-feira, 28 de outubro de 2013

Soneto do amor distante

© Márcia Sanchez Luz


(Img: Girafa em chamas, Salvador Dalí)






















Por tudo o que vivemos sou refém
dos sonhos que deixamos de viver;
ficou saudade por não mais poder
amar-te na distância e mais além.

Eu sei, virou tratado que mantém
um bom bocado de ilusões de haver
tentado nesta vida não sofrer
ausência de um amor que nunca vem.

Escuto o som de notas distorcidas
pela distância que se faz maior,
mas que ainda existe na afeição real

e me alimenta a alma consumida
pela procura insana do sabor
de vida intensa,  ritmo ideal.


28 comentários:

  1. Palavra precisa de um sentimento puro.
    Um abraço

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigada, Guaraciaba. Estive em seu blog e gostei bastante. Voltarei mais vezes.
      Beijos.

      Excluir
  2. Pressente

    Do ideal, refém,
    nada além,
    mais nada nem,

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Que bom que veio, Adroaldo! Sucesso com seu novo livro!

      Excluir
  3. Sofrer ou deixar de sofrer por causa do amor. Todos passam por isso, creio.
    Beijo, amiga Márcia
    Jorge

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. A vida é sempre desse jeito, em todos os sentidos, não só no amor, Jorge.
      Obrigada.

      Beijos

      Márcia

      Excluir
  4. Bellísimo poema y exquisito el contenido de este blog...Felicitaciones!!!!

    http://vida-reflexion.webcindario.com/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Gracias, Graciela, por sua visita.

      Abraços

      Márcia

      Excluir
  5. Parabéns, Márcia, pela justeza em mais esse belo poema. Abraços, Pedro.

    ResponderExcluir
  6. Belo soneto Marcia! Parabéns por mais este belo trabalho.

    ResponderExcluir
  7. Não há que esperar, da estrada do Amor, as mesmas paisagens. Assim como um poema, se perfaz enquanto se escreve e não nos diz do destino. Resta, então, o apuro da forma harmonizando inimagináveis conteúdos, como quem resume todo o sentimento do mundo num singelo soneto.
    Abraços.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. É verdade, Caio...sempre há, na mesma estrada, algum detalhe que torna o caminho diferente. Obrigada, do fundo do coração, pela delicadeza de suas palavras.

      Beijos

      Márcia

      Excluir
  8. Belo: "a procura insana do sabor de vida intensa".
    Parabéns.
    Abraços

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Iremar, é sempre uma honra recebê-lo. Obrigada pelo carinho da visita.

      Abraços

      Márcia

      Excluir
  9. sofrer por amor todos nós sofremos, mas descrever com tanta precisão e beleza, só você, Márcia!

    ResponderExcluir
  10. Minha querida amiga Márcia, seus sonetos são sempre bem construídos. Nesse pesa o sentimento da distância do amor que partiu e não partiu. Ele é triste como é viver no amor alegre e triste, sendo a distância tão distante da ideal. beijos.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. É isso, Marco, é isso mesmo! Distante ou não, o sentimento permanece...
      Obrigada pelo carinho de sua leitura.

      Beijos

      Márcia

      Excluir
  11. Querida Márcia: parabéns pela grandeza poética. Bjos, Grauninha

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Grauninha querida, faço minhas as suas palavras.

      Beijos carinhosos

      Márcia

      Excluir
  12. O soneto se mistura com a pintura traduzindo vida... luz... cor... emoção... natureza... universo... Parabéns pela grandeza/riqueza... Obrigado pelo seu carinho e atenção... Sucessos.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. É assim a vida, não é mesmo, J. R. Lira? Muito obrigada pelo carinho de suas palavras.

      Excluir
  13. Parabens, Marcia!
    Faça também uma visita ao meu site!
    www.amorepoesia.org

    ResponderExcluir
  14. Maravilha! Você como sempre trazendo beleza com palavras!

    ResponderExcluir
  15. Lindo poema, mas na vida tudo tem seu tempo...
    Beijo Lisette

    ResponderExcluir