quinta-feira, 15 de setembro de 2016

Soneto em memória de Domingos Montagner

Img: Google

















© Márcia Sanchez Luz


Quero viver neste mundo
como quem vive um só dia:
cada fração de segundo,
fugaz como a estrela-guia.

Não sei se o solo é fecundo,
nem se a noite se atavia.
Porém sigo e me aprofundo
no sentir que me alicia.

Do pranto que me entristece
sugo as lágrimas que correm
dos olhos de um querubim.

Já do canto que enternece
sorvo as delícias que escorrem
de um coração arlequim.


domingo, 11 de setembro de 2016

PARA AMAR-TE


À minha Fadinha Duda

© Márcia Sanchez Luz




Se para amar-te
for preciso a bruma
dar-te-ei o sol
pra clarear teus dias.

Se para amar-te
for preciso a seiva
dar-te-ei o solo
em que o alento brota.

Se para amar-te
for preciso o canto
dar-te-ei as cordas
com que vocalizo.

Se para amar-te
for preciso a lua
dar-te-ei o orbe
onde habita Artêmis.




E se ainda assim
achares que é pouco
dar-te-ei minhas lágrimas
cedidas por Netuno.

terça-feira, 6 de setembro de 2016

Valentia


Para minha adorada filha Tatiana



















© Márcia Sanchez Luz


Nem sempre digo que sim
para o que é fácil na vida.
Prefiro a luta renhida,
aquela que faz de mim
lua intensa, destemida.

segunda-feira, 21 de março de 2016

Celebrando o Dia Mundial da Poesia

Viver brincando... 

© Márcia Sanchez Luz



(Img:© Márcia Sanchez Luz)





























Sublime, preciosa, delicada
és tu, minha Maria Eduarda.
Sorrio a cada dia em que te vejo
e sempre que de ti recebo um beijo.

A vida ganhou forma diferente
como se fosses tu meu afluente
enchendo de razões minha existência
minha razão de ser, doce cadência.

Lá vamos nós brincar “deita garota! ”
e lambuzarmo-nos de cremes vários,
zombando de nós mesmas, que alegria!

Também nos divertimos com beijocas
(nosso cenário é simplesmente hilário!)
Quem chega ri demais dessa folia...



(Para quem quiser postar comentários, segue o link de um outro site que permite comentários, já que o blogger vem pisando na bola há algum tempo: https://marciasl2001.wordpress.com/)

sábado, 30 de janeiro de 2016

Meu filho...

Para Bruno, meu amado filho

© Márcia Sanchez Luz

















Teu sono desde a infância sou quem vela
e mesmo antes eu já te guardava
naquele espaço onde fiz-me escrava
de teus desejos. Fui talvez capela!

Ao me sentir gestante fiz-me bela
e a todo instante te acariciava
dizendo bem baixinho uma palavra
para acalmar-te o medo das mazelas

que por ventura o mundo anunciasse
em teu caminho pela vida afora,
pois que sozinho a mágoa não demora.

E assim chegaste como se chegasse
o sol iluminando toda a flora
e anunciando a luz que quero agora.


quarta-feira, 4 de novembro de 2015

Antologia Poesia para Mudar o Mundo - vol 3 - Blocos Online


Objetivo:

Em novembro de 2013 iniciamos este projeto, cujo intuito é mobilizar as pessoas para a importância da poesia, capaz de mudar comportamentos, pensamentos, atitudes, óticas, sensibilidades e, consequentemente, mudar o mundo. O volume 3 será lançado no dia 4 de novembro de 2015, com a participação de 51 poetas. A leitura on line é gratuita, o que possibilita maior divulgação da obra dos participantes.




Participantes:

Adriane Garcia • Afonso de Castro Gonçalves • Anderson Braga Horta • Angela Moraes Souza • Antônio Lázaro de Almeida Prado  • Beatriz Chacon • Belvedere Bruno • Bilá Bermardes  •  Carmen Silvia Presotto  •  Cristina Helena Rocha  • Eunice Arruda  • Flavio Gimenez  • Flavio Machado • Gerson Ney França • Graça Graúna • Ildefonso de Sambaíba  •  Jandira Zanchi • Jania Souza  • Jayme Benassuly  • Juliana Meira   • Leila Míccolis • Lena Jesus Ponte • Leninha  •  Líria Porto • Lourença Lou  • Luiz Otávio Oliani • Mara Senna • Marcelo Benini  • Marcelo Mourão  •  Márcia Sanchez Luz  • Maria Elizabeth Candio  • Maria Luiza Falcão  • Marina Irene Beatriz Polonio  • Mário Alves de Oliveira • Myrian Naves  • Neuza Ladeira  • Noélia Ribeiro  • Paola Rhoden • Ricardo Alfaya  •  Rogério Marques Sequeira Costa • Ronis Elson Ruah  •  Rosy Feros  •  Sandra Souza Pinto  •  Sonia Sirolli  •  Tânia Machado  • Téka Castro •  Teresa Vignoli  •  Thaise Diaz  •  Vera Casa Nova  •  Wanderlino Teixeira Leite Netto  • Wellington Vinícius Fochetto Junior.

http://www.blocosonline.com.br/literatura/poesia/obrasdigitais/mudarmundo/03/capa.html




Créditos:



.        Arte da capa e dos backgrounds: © Urhacy Faustino (coeditor)
.        Seleção de autores e textos: Leila Míccolis (escritora e pós-doutorada
         em Teoria Literária/Letras/UFRJ)
.        Assessoria gráfica/suporte técnico: Ricardo Vieira
.        Realização e hospedagem: Portal Blocos Online, pioneiro em ativismo
         literário na Internet há 19 anos – http://www.blocosonline.com.br
.        E-mail: blocos@blocosonline.com.br


domingo, 25 de outubro de 2015

Eclosão


© Márcia Sanchez Luz

The dance of love - Leonid  Afremov


















Nessa estrela vou pousar
de bailarina:
da cortina de teu palco
vou surgir
enfeitando o filme antigo
que fascina
tua lembrança, lamparina
a emergir.

quinta-feira, 13 de novembro de 2014

Soneto para Manoel de Barros

Viver nos tempos modernos...

© Márcia Sanchez Luz

Para Manoel de Barros
(19.12.1916 - 13.11.2014)


















O vento sopra como se mistral
fosse o presente tempo: decomposto
por vibrações de um átomo disposto
em forma ou natureza fractal.

Procuro uma resposta pra este mal
(que invade o ser humano predisposto
a não mudar o que lhe foi proposto)
e mostra o mundo já no seu final.

É o fim dos tempos onde a paz crescia
e nos norteava o dia que seguia
sem tantas mágoas a nos ofertar.

É duro ver o mundo em movimento
inverso e nos trazendo mais tormento
com tanta vida em torno a se apagar.


quinta-feira, 25 de setembro de 2014

Frenesi

© Márcia Sanchez Luz


Orquídea, por Márcia Sanchez Luz





















Aos pedaços me atiro em movimentos
frenesi, momento insano, me questiono
se o que vivo é o que espero de minha vida
se ao teu lado vou me achar na despedida

Mesmo em sonhos, tropeçando em descaminhos
sou quem sou, não tenho nada que me impeça
de alcançar-me mais adiante, sem ter pressa

Vou viver meus sentimentos sem ti mesmo...

E ao dizer-me assim sem traços de amargura
sou de ti meu descaminho que não mente
e que sente a dor da perda que consente.


*Do livro Porões Duendes