sábado, 11 de maio de 2019

POESIA PARA MUDAR O MUNDO - versão impressa da Editora Blocos




Leila Míccolis e Urhacy Faustino, nadando contra a corrente, o que é fantástico, reativam a Editora Blocos e publicam em papel e tinta a Antologia POESIA PARA
MUDAR O MUNDO, antes publicada em versão digital no Portal Blocos Online.


É com imenso prazer que partilho essa notícia e me sinto honrada por participar dela junto a grandes poetas da atualidade.

segunda-feira, 11 de fevereiro de 2019

Desvario - Em memória de Ricardo Boechat
















Hoje perdemos Ricardo Boechat, jornalista e ser de primeira grandeza. Fica um vazio imenso, um desejo de que tudo não passasse de um pesadelo, um engano...mas não! Ele se foi, e com ele se foi o que havia de mais transparente no jornalismo... Muito triste...

Posto humildemente este soneto em sua memória

Desvario
© Márcia Sanchez Luz

Será que nesta vida tão doída
Existe algum lugar que delimite
A perda que maltrata em despedida
E a voz que sempre fere e impõe limite?

Não sei qual a razão de tanta lida
se o que magoa enfim não nos permite
banir o açoite turvo na acolhida
das noites, no silêncio que se omite!

Burlar a escuridão é desvario:
o claro que se apaga e mostra a dor,
não vai trazer a paz – é luta em vão!

Postergo e avilto a morte, fantasio
que tudo enfim será cultivador
de um mundo desprovido de aflição.

segunda-feira, 17 de setembro de 2018

Pura Rima

© Márcia Sanchez Luz


Tela de Tomasz Kopera















Mesmo se dissesse
que o que me entristece
não é tua fala
pois que a boca cala
e o ouvido cerra
o que nela encerra...
Se em mim fascina
teu olhar que insiste 
tantas vezes teima
em não concordar
que não somos mais 
olhares gulosos...

Se tua mão que afaga
já não é tão fina
mas que é pura rima
de nossos desejos 
amadurecidos
e já transformados...
Assim não podemos 
porquanto crescemos
e juntos gozamos 
prazeres intensos
de sol e de lua...
Minha boca, que é tua,
só tua!
Sou tua...


sexta-feira, 3 de novembro de 2017

AMOR ASTRAL

© Márcia Sanchez Luz




















A lua setembrina é mais bonita
quando se junta ao sol na primavera:
os dois se encontram e a grandeza impera,
parecem ouro e prata, o que suscita

uma emoção sem fim (o amor transita
por alamedas cheias de quimeras),
levando o coração para uma esfera
onde não há maldade nem desdita.

E chega a noite, a lua (soberana
e eterna apaixonada pelo sol)
guarda seu sono, toda luz emana!

O dia acorda, logo desjejua
e canta como fosse um rouxinol
à espera da brilhante e linda lua.

© Márcia Sanchez Luz

segunda-feira, 12 de junho de 2017

Dualidade

© Márcia Sanchez Luz

Img: Márcia Sanchez Luz






















Por que esta dor que tanto te consome
e te anuncia a luz de um outro amor
não pode se tornar um codinome
que traga à tua vida um novo ardor?

Por que este amor que dizes já ter nome
não basta para aliviar a dor
que no silêncio agride e tira a fome,
dilacerando o corpo em vil torpor?

Minh’alma também vive o desacordo;
meu peito chora a falta a derruir
o corpo que só clama o afago teu.

Deitada escuto a brisa e os lábios mordo;
teu nome à noite temo proferir
e transbordar um sonho todo meu.



domingo, 1 de janeiro de 2017

Como fazer o Ano Novo

© Márcia Sanchez Luz

Olhemos o outro com atenção,
carinho e respeito pelas diferenças,
porque são elas que nos tornam únicos.
Somos imperfeitos, estamos aqui para aprender,
não para impor nossa visão de mundo.
O amor precisa vencer a prepotência e a soberba
para que tenhamos paz.