quinta-feira, 3 de fevereiro de 2011

Acalanto


The Bridge - Inga Nielsen


Eu amo como quem deita no chão
e fica olhando estrelas no relento.
A calma chega em forma de acalento
e assim me entrego inteira a uma ilusão

de que aguardar-te não vai ser em vão.
Bem sei que tu me queres e, sedento,
nem vais me perguntar se espero o vento
trazer-me a paz em forma de canção.

Por vezes este amor me varre os dias
como uma tempestade em pleno estio
a me afogar em medos e fobias.

Por outras ele acorda meus instintos,
me faz valente, sem temer o frio
das noites invernais de afetos findos.


© Márcia Sanchez Luz


30 comentários:

  1. Márcia, eu, pobre trabalhador da palavra e ansioso crônico, um tanto quanto impaciente para ler formas fixas, declaro: seus sonetos me convertem, dão-me a calma necessária para lê-los fluida e docemente. Poucos conseguem isso, poeta; talvez alguns Vinícius da vida, outros poucos. Você é primorosa no que faz, seus textos têm gestos delicados e, paradoxalmente, batem forte no peito da gente!

    ResponderExcluir
  2. QUERIDA mÁRCIA, OUTRA GRANDE OBRA SUA, E NA CLASSE MAIOR O SONETO.
    LINDO,LINDO, OBRIGADA POR COMPARTILHAR A GRANDEZA POÉTICA DE SUAS OBRAS, COM ADMIRAÇÃO, EFIGENIA

    ResponderExcluir
  3. Edson Gonçalves Ferreira3 de fevereiro de 2011 23:43

    Márcia,

    Fui sôfrego até seu site e me embebedei do seu lirismo contagiante. A sua poesia é puro encantamento e, para mim, se a poesia causa estesia é verdadeira. Seus versos têm uma beleza impar. Você nos pega com a suavidade de uma ninfa e nos conduz para os meandros do amor e da paixão. Parabéns,

    Edson

    ResponderExcluir
  4. Márcia, que formosura de soneto!
    Ás vezes penso que esta forma inesgotável que é o Amor não fabricará mais surpresas, mas me desmente a realidade em versos como os seus.
    Um parabéns! Um abraço e um beijo.

    ResponderExcluir
  5. "Por outras ele acorda meus instintos,
    me faz valente, sem temer o frio
    das noites invernais de afetos findos."
    Talvez uma das suas melhores finalizações.

    Beijos,
    Jorge

    ResponderExcluir
  6. Márcia sempre surpreende. Não só pela forma (perfeita - sabe das ferramentas que utiliza), como pelos conteúdos (universais, traduzíveis em qualquer idioma e inscritos no Tempo).
    A escolha preciosa de cada palavra e a sobriedade da constatação de sentimentos nos remete, sem subterfúgios, ao amor que sonharíamos - permitido fosse aos meros mortais - usufruir dos misteriosos desígnios das Graças e das Musas: estas capazes de transformar guerreiros em poetas, aquelas, de nos implicar na beleza da vida. Um privilégio desfrutar de sua Arte, Márcia.

    ResponderExcluir
  7. Esse amor que enfrenta o relento e não se prende necessariamente a alguém em particular é o mesmo de que falam Rumi, Tereza D'Ávila e Juan de la Cruz. Você fala disso nesse poema, Márcia. Amores findos,mas Amor força motriz do universo, vivendo em nós e além de nós.
    Reconfortante como uma noite a passar devagar, com todos os seus sons.

    ResponderExcluir
  8. A CONSTRUÇÃO DO AMOR
    Glosa de João Justiniano da Fonseca
    03.-2.2011. ÀS 23 HORAS
    Para a poeta Márcia Luz, na hora.


    "Das noites invernais de afetos findos"
    Á lembrança nos vêm em fogo e brasa.
    Aquece-as a saudade e dá-lhes asa
    De esperança no voo a ontens lindos.

    A beleza do amor aquece infindos
    blocos de gelo ártico e apraza
    O coração e a fé dentro da casa
    De reis e de plebeus, todos bem-vindos.

    Graça é saber que envolve tudo o amor,
    Raiz e caule, espinho, folha e flor
    Que o tempo eterno goza, e ao fim destrói...

    Aguardo-te, pois sei que vens a mim,
    aquecer o meu frio e sempre assim
    Por nossa vida a paz. O amor constrói.

    ResponderExcluir
  9. Márcia,

    Mais uma vez você nos presenteia com uma bela criação poética, em forma e conteúdo.
    Somente a sensibilidade de um grande poeta (poetisa) é capaz deste nível de criação.
    Cabe a nós, meros mortais (desculpe a falta de imaginação, rsss)admiramos a criação e a criadora, configurando-se em um maravilhoso acalanto para nossas noites invernais.

    Abraços,

    Paulo R. Bornhofen

    ResponderExcluir
  10. Olá Marcia,
    Lindo como todos seus poemas.
    Vim deixar meu abraço e parabenizá-la pelo seu blog.
    Bjos
    Masé Soares
    Goiânia/Go

    ResponderExcluir
  11. Marcia
    Seu poema é bonito. Parabéns. Sds. Milton Martins

    ResponderExcluir
  12. OI Márcia!
    quanto tempo não te vejo ...que saudades !
    Muito lindo seu soneto ..como sempre !
    beijos

    ResponderExcluir
  13. Sempre uma felicidade ler tua mágica inspiração rompendo as cadeias férreas do soneto.

    ResponderExcluir
  14. Fabbio, suas palavras em muito me honram e alegram. Você bem sabe, poeta, o quanto é importante que a poesia tenha este efeito nas pessoas.
    Obrigada por seu carinho.

    Querida Efigênia, agradeço pelo carinho de suas palavras e pela gentileza da visita. É sempre um prazer vê-la aqui.

    Edson, agradeço comovida por suas palavras. Fico feliz em saber que minha poesia atingiu seu coração desta forma.

    Lígia querida, obrigada por ter vindo me prestigiar com sua energia tão contagiante. Fico muito feliz com sua companhia. Obrigada.

    Gratíssima, Jorge. Você sabe o quanto sua opinião me é importante.

    Caio, saiba que o privilégio é todo meu. Além de me dar a honra de ser prefaciada por você, continua a me brindar com palavras mágicas e repletas de generosidade.
    Obrigada, do fundo do coração, meu querido amigo.

    Aracéli querida, você tem uma maneira toda especial de comentar poemas, sabia? É desta forma que sinto o amor – dentro de nós, ele extravasa, transborda e inunda, mas nunca seca. Obrigada pela leitura atenta que fez deste soneto.

    Querido poetamigo João Justiniano, obrigada por me brindar com mais esta homenagem em forma de soneto. Além de devida e cuidadosamente arquivado, está guardado num lugar especial de meu coração.

    Paulo, obrigada pela generosidade de suas palavras. A sensibilidade, na criação e na vida, só é percebida por seres sensíveis, não é mesmo?

    Masé, que bom que você veio! Estava sentindo sua falta, viu? Obrigada por seu carinho, querida.

    Grata por sua presença, Milton. Venha sempre que quiser e puder.

    Ana, faz tempo mesmo que não nos vemos. Também tenho saudades de você, viu? Obrigada por ter vindo deixar seu carinho.

    Adroaldo, poetamigo, a alegria é toda minha em vê-lo aqui. Obrigada pelo carinho das palavras.

    ResponderExcluir
  15. Márcia, minha querida poeta. Poeta do coração, deste coração combalido, mas teimoso. O que dizer deste Acalanto que me tira lágrimas!!! Você pega fundo na alma e entra desinibida com a segurança de quem é de casa e vem com tantas luzes e cores que me descontro e me descontrola a emoção. E você sabe bem o porquê.

    Beijos

    Airo Zamoner

    ResponderExcluir
  16. Airo, peço a Deus todos os dias para que seu coração teimoso seja cada vez mais persistente e valente, capaz de combater o que o abate.E tenho certeza de que ele vai vencer mais esta batalha!
    Obrigada por vir
    abrilhantar "Acalanto" com sua presença, que tanto me comove.

    Beijos

    Márcia

    ResponderExcluir
  17. recebi seu livro
    notavel, excelente livro
    sonetos perfeitos
    o equilibrio poético
    a beleza clássica

    ResponderExcluir
  18. Rogel, adorei a forma original de me fazer saber que o livro chegou até você ;-)
    Obrigada pelas palavras, que me deixam muito honrada.

    Beijos

    Márcia

    ResponderExcluir
  19. Querida, gosto muito deste seu poema, fico feliz que você tenha postado, para acalentar-nos, coletivamente.
    Beijos,
    Leila

    ResponderExcluir
  20. Leila, minha querida

    Acho que todos nós estamos precisando de um pouco de acalanto, não é mesmo?

    Acabo de vir do Yubliss...deixei um comentário em sua crônica, belíssima - como sempre. Se me permitir, vou publicá-la no blog Márcia Sanchez Luz ;-)

    Obrigada e beijos muitos, com carinho

    Márcia

    ResponderExcluir
  21. Un soneto precioso en portugués
    de Marcia Sánchez Luz que alumbra mucho.

    Abrazos

    ResponderExcluir
  22. Márcia,

    Mais uma vez surpreendes. Aliás surpreender não é mais o termo. Nem cabe mais quando já é uma certeza. Sim porque a certeza - ao recebermos mais um soneto de tua lavra - é uma espécie de coroamento da esperança de encontrarmos a pura poesia, a paixão, o amor, a sede da espera que é contemplada pelo amor sedento...
    Tudo, enfim, nos preenche esta lacuna do querer que se completa ao fim de cada verso, ao epílogo de cada soneto.
    E é tanto assim que se planta - em nós - a semente de outra esperança. Até que novo e-mail chegue convidando-nos a degustar contigo o bailar suave das letras que se fazem poema em teus poemas.

    Que Deus te conserve assim e te abençoe sempre,

    Caminha

    ResponderExcluir
  23. Lisette, diria que a vida é mágica ;-)
    Obrigada, querida.
    Beijos.

    Juan, grata por sua presença e por suas palavras.

    Márcia

    ResponderExcluir
  24. Caminha, você me comove com tanta generosidade e doçura, amigo!
    Que a poesia possa sempre ser assim, geradora de esperanças.
    Obrigada, do fundo do coração, por suas palavras.

    Fique com Deus!

    Márcia

    ResponderExcluir
  25. Mensagem recebida por email, do poeta Carlos Figueiredo:

    Cara Márcia,

    Dei uma passeada matinal por seus poemas. Por mais que se queira – e é uma bobagem tentá-lo – não é possível elidir a óbvia diferença de gênero. O eterno feminino é real. Seus poemas são poemas de uma mulher. Me lembra a divina Florbela Espanca. Homens e mulheres, seremos sempre, uns para os outros, um mistério.

    Obrigado pela postagem da entrevista. Ficou muito bom.

    Um abraço.

    Carlos Figueiredo

    ResponderExcluir
  26. confesso, meio envergonhado, que não conhecia a sua poesia, Márcia.

    assustei-me até com a força lírica e o domínio técnico que este seu soneto exibe.

    impressionante, sobretudo, como a cadência e o colorido interno compensam e revertem a monotonia que seria natural em seqüências de rimas de mesma tonalidade. e gosto muito do uso dessa tonal que você repete: diversas/ trevas verve/breve: este "r" prestidigitador, passando a perna nos nossos olhos auditivos.

    fiz há milênios um poema, do qual só me restaram (pela 'performance' do "r" prestidigitador, suponho) estes versos, ou fragmentos de versos:

    garfo com que grafo
    em persa a tua pressa

    abraço

    ResponderExcluir
  27. Wilden, muito obrigada pela leitura cuidadosa que fez de meus sonetos. É um prazer recebê-lo neste espaço.

    Abraços

    Márcia

    ResponderExcluir
  28. Estou estasiada com tudo que encontrei aqui! Sigo-te e com muito prazer em ler-te. bjs.

    ResponderExcluir
  29. Passeando pelos blog's vi o seu, sentí-me atraída pela lindas montagens, mas meu encanto não parou por ai Márcia.sua arte como sonetista é de uma grandeza ímpar, seus versos são tocantes, sutis e inteligentes!

    Parabéns!
    Estou te seguindo!

    Até mais!

    ResponderExcluir