sexta-feira, 9 de julho de 2010

Mascaradas



Não há porque cobrar de ti, amor,
o que tampouco posso dar de mim.
Posso porém pedir, veja-me assim
como semente forte em viço e cor

a alimentar teus sonhos de Pierrô,
quem sabe até quimeras de Arlequim
(todo vestido em tiras de cetim)
que após sorver um gole de licor

recobra forças antes escondidas
e vai atrás da amada Colombina
pra declarar, mesmo em total silêncio,

o afeto que era febre adormecida
(por falta de uma antiga lamparina)
e que hoje queima feito fogo intenso.

© Márcia Sanchez Luz

44 comentários:

  1. Márcia, Márcia, Márcia...

    Magistral! A qualidade técnica me deixa boquiaberto! A música, a leveza, o romantismo, a doçura que você tem como pessoa, estão aí vazando pelas palavras tão bem escolhidas e versos tão bem arquitetados.
    Um beijo grande
    Airo Zamoner

    ResponderExcluir
  2. oLÁ Márcia.
    Gostei do teu poema, MASCARADAS.Belas imagens e essa mistura de febre, fogo, calor maciez e paixão.
    Depois gostei pelo continuum de frase sem aquelas maiusculas de iniciar toda linha. Também gosto do jeito com que você permite o entendimento direto da obra deixando a frase correr solta.
    Pena que poemas e escritos não fazem a cabeça das pessoas.

    ResponderExcluir
  3. Oi
    Voltei para convidá-la a visitar p sitio www.paginadeideias.com.br
    Lá encontrará algumas obras minhas para download gratuito via PDF.
    até

    ResponderExcluir
  4. Querida Márcia, já nos habituamos aos seus sonetos, onde
    ele possui uma estrutura lógica com uma introdução, um desenvolvimento e uma conclusão, constituída pelo último terceto; esta última com "chave-de-ouro".
    BRAVO!!!
    Com admiração e respeito sua amiga e FÃ, Efigenia Coutinho

    ResponderExcluir
  5. A magia ddos três enche a poesia de poesia. Você acerta ao falar de amor através do triângulo amoroso. Gostei muito. Muito obrigada por sua presença. - Você enconttra meus blogs em www.gahmaria.blogspot.com

    com carinho
    um abraço

    gláuciaquadros

    ResponderExcluir
  6. "Não há porque cobrar de ti, amor,
    o que tampouco posso dar de mim."


    Márcia tem, mais que a propriedade impecável da forma, a pertinência do conteúdo. Começa forte e, suavemente, diz do amor, o que o amor atende e entende:
    "...o afeto que era febre adormecida
    [...]
    e que hoje queima feito fogo intenso
    ...

    Um privilégio, conhecer sua obra.

    ResponderExcluir
  7. Inteligente soneto,e lindamente fala do amor...Bjs no coração.

    ResponderExcluir
  8. Márcia,

    gostei especialmente da mudança após um pequeno gole de licor. Que ativa o imaginário, e o faz ir com tudo para o teste do que sonhou. Já dizia Einstein que a imaginação é mais importante que o conhecimento. Você tem razão. Pra amar é preciso coragem. Belo soneto, amiga!
    Beijo
    da
    Aracéli.

    ResponderExcluir
  9. Márcia aparece um pouco diferente, sem com isso deixar de dar vida ao soneto.
    Para mim está cada vez mais difícil comentar. Peças acabadas não se comentam.
    São admiradas!

    Beijos,
    Jorge

    ResponderExcluir
  10. Airo, sua presença neste espaço é uma honra e motivo de alegria imensa.
    Obrigada pelo carinho aqui deixado.

    Beijos

    Márcia

    ResponderExcluir
  11. Coelho de Moraes, é um prazer recebê-lo aqui. Agradeço por sua cuidadosa leitura e pela gentileza do comentário. Fui conhecer seus espaços e garanto que voltarei mais vezes.

    Márcia

    ResponderExcluir
  12. Efi querida, fico muito feliz em ver você em meus espaços virtuais, pois também me habituei a receber seu carinho literário. E a AVSPE continua a toda, crescendo a cada dia. Parabéns e obrigada por ter vindo!

    Beijos carinhosos

    Márcia

    ResponderExcluir
  13. Gláucia, nada como falar de Colombina, Pierrot e Arlequim para dizer do amor, não é mesmo?
    Obrigada por vir e deixar sua presença registrada.

    Beijos

    Márcia

    ResponderExcluir
  14. Caio, que bonito isto que você diz! Já lhe falei que suas palavras sempre me deixam comovida, mas sempre é bom reafirmar o que sinto.
    Obrigada pela honra de vir, mais uma vez, abrilhantar "O Imaginário". "Poemas" está ainda mais lindo!

    Beijos

    Márcia

    ResponderExcluir
  15. Obrigada, Zilda.Fico muito feliz com sua presença, viu? Venha sempre!

    Beijos

    Márcia

    ResponderExcluir
  16. Aracéli querida, adorei seu comentário - sempre inteligente e repleto de bom humor. É vero...a imaginação acaba nos levando ao conhecimento, a vivenciar sonhos. E é preciso muita coragem para amar, ou melhor, para o amor...rss... De qualquer maneira, com ou sem licor, ele acontece ;-)

    Beijos carinhosos

    Márcia

    ResponderExcluir
  17. Jorge, agora é você a me nocautear? Assim fico sem graça, viu? Quanto a aparecer diferente, acredito que seja assim com todos nós...tudo depende do enredo que se cria.
    Obrigada, amigo.

    Beijos

    Márcia

    ResponderExcluir
  18. Obrigada, poetamigo Adroaldo. Saiba que sua presença é sempre motivo de grande alegria.

    Abreijos

    Márcia

    ResponderExcluir
  19. Francisco Coimbra10 de julho de 2010 23:25

    Gostei de MASCARADAS, gosto do espaço conquistado dentro do poema, com o uso de parênteses.
    Bom findi,
    Francisco Coimbra

    ResponderExcluir
  20. Cara Márcia,

    Aqui, em Mascaradas, a esfera do amor, por esfera ser, fecha-se em sí e nada há que seja comentário a fazer, pois veja: "Nada a cobrar ... tudo a pedir .. e dar ... dar-se"
    O que haveria de se dizer, exceto:
    Márcia: Mil Parabéns! Brilhante!

    Beijo

    Pedro Da Ros

    ResponderExcluir
  21. A procura de um amor, paz.
    Beijo Lisette

    ResponderExcluir
  22. A procura de um amor, paz.
    Beijo Lisette

    ResponderExcluir
  23. Márcia,
    Adorei o seu belissimo soneto.
    Está cheio de ritmo e fechado com com todo o enfase que se deve dar no ultimo terceto.
    Parabéns.
    Aproveitei para dar uma voltinha aqui no seu Blog e gostei muito do que li.
    Se desejar pode ir até ao meu, embora não tenha muito tempo para ele, está amis ou menos em dia, rsrsr.
    www.susanacustodio.blogspot.com
    Votos de uma boa semana
    Beijinhos
    Susana

    ResponderExcluir
  24. Márcia

    Que maravilha de construção. É um amor que não "cobra", mas quem pode resistir a tão "sutil" pedido.
    Não sei se é um coração apaixonado, ou se é uma paixão que encontrou um sensível coração para habitar.

    Bjs,

    Paulo R. Bornhofen

    ResponderExcluir
  25. Márcia,

    sempre Márcia. A transportar-nos. Um baile de máscaras, balé em Veneza.

    Simplesmente encantador, como os segredos que se vão por trás das fantasias, do coração.

    Dois, três goles de licor!

    Deus te abençoe,

    Caminha

    ResponderExcluir
  26. Francisco, grata pela leitura.
    Volte mais vezes!

    Márcia

    ResponderExcluir
  27. Obrigada, Pedro! É um prazer vê-lo aqui.
    Amor não pode ser cobrado, pois que não seria amor de fato. Ele tem de ser livre para crescer e gerar frutos, não é mesmo?

    Abraços

    Márcia

    ResponderExcluir
  28. Paz pra você também, Lisette.

    Beijos

    Márcia

    ResponderExcluir
  29. Susana, obrigada pela leitura atenciosa do soneto.
    Também já fui visitar seu blog e voltarei mais vezes, viu?

    Beijos

    Márcia

    ResponderExcluir
  30. Paulo, tudo o que é cobrado num relacionamento tem um gosto ruim! O ser amado não aguenta, assim como quem cobra também se sente infeliz. Pedir é tão melhor ;-)
    Obrigada pelo carinho da leitura. Adorei sua visita!

    Abraços

    Márcia

    ResponderExcluir
  31. Caminha, obrigada pela leitura atenta que sempre faz de meus poemas. Esta inte(g)ração é tão importante para o caminhar de nossa obra!

    Um grande abraço

    Márcia

    ResponderExcluir
  32. ...um forte soneto em viço e cor. Bjos de luz, Grauninha

    ResponderExcluir
  33. Querida, muito bom ler agora online o teu Mascarada, soneto que eu gosto tanto.
    E segue o baile... rs
    Mil beijos,
    Leila

    ResponderExcluir
  34. Grauninha, é sempre tão bom quando você vem aqui! Sinto sua falta.
    Obrigada.

    Beijos carinhosos

    Márcia

    ResponderExcluir
  35. Leila, minha querida, o baile tem que seguir, não é mesmo?
    Obrigada pelo carinho de vir aqui! Sei de suas inúmeras tarefas e fico toda prosa com suas palavras e sua presença, sempre de extrema importância para mim.

    Beijos muitos, com carinho

    Márcia

    ResponderExcluir
  36. Marcia,
    que maravilhoso e bem estruturado soneto...
    as vezes quando o amor esfria devido a rotina, precisamos de estrategias para reavivá-lo e nada melhor que máscaras que trazem magia e o licor que aquece e embriaga.
    bjs

    ResponderExcluir
  37. Obrigada por suas palavras, Doroni. Acho que as máscaras, no caso dos bailes, são só pretexto para que se possa libertar a magia que há em cada um de nós.
    Seja muito bem-vinda a este espaço!

    Beijos

    Márcia

    ResponderExcluir
  38. Cara Márcia,
    Gostei muito do seu texto. Passei hoje, passarei sempre.

    Abraços seguidores,
    A.

    ResponderExcluir
  39. Seja muito bem-vinda, Andreia! Venha sempre que tiver vontade.

    Márcia

    ResponderExcluir
  40. Querida Márcia,

    somos todos meio mascarados, guardando a antiga e boa lamparina,
    para que ela arda no tempo certo e ilumine na dose necessária. Seu soneto é um cometa cuja cauda deixa rastros inesquecíveis.
    Aplausos muitos.
    Com Carinho e Amizade,
    Regina Coeli/RJ.

    ResponderExcluir
  41. Querida Regina, se tem algo que não sei fazer é ser mascarada...e esta minha característica às vezes me bota em cada saia justa!! Ainda assim, prefiro a transparência...rss...

    Hoje você me presenteou com sua presença em algumas postagens e agradeço do fundo de meu coração. Fico muito feliz em lhe ver por aqui.

    Beijos carinhosos

    Márcia

    ResponderExcluir
  42. querida Márcia, obrigada por sua visita no CLIP, e com sua permissão estou levando comigo esse seu lindo poema e publicando hoje no Centro Literário. O seu blog é muito bonito e espero vir visitá-la sempre
    um grande beijos
    Mara Bombo

    ResponderExcluir
  43. Mara, é um prazer recebê-la neste espaço. Espero que venha sempre!
    Quanto ao soneto, fique à vontade para postá-lo no CLIP.
    Obrigada por sua gentil mensagem.

    Beijo grande

    Márcia

    ResponderExcluir