sexta-feira, 2 de setembro de 2011

Flor Anciã - soneto de Márcia Sanchez Luz

© Márcia Sanchez Luz


(Img: Eros e Psique - Antônio Canova)





















Espero-te em meu barco de manhã,
depois que a brisa e o canto se encontrarem
e te contarem sobre a flor anciã,
que fez meus olhos toda a dor secarem.

Espero-te em silêncio, no amanhã,
depois que a sombra fria e o ardor findarem.
E que tu venhas me encontrar, Titã,
mesmo se sol e lua te ofuscarem.

Então eu poderei de amor falar!
E nem que seja só por um instante,
bastar-me-á que saibas me escutar.

E vais me compreender e me beijar!
Da flor anciã guardei esta semente,
para que sintas Eros te embalar.

*Do livro "Porões Duendes"

20 comentários:

  1. Complementando nosso querido Rogel Samuel Márcia, diria: belíssimo soneto eterno...
    Abraços, minha amiga.

    ResponderExcluir
  2. Dizer ainda mais, se tudo foi dito com os nobres colegas acima!
    Márcia sempre nos brinda com o que tem de maior e melhor na Literátura , SONETOS BELISSIMOS.

    PARABÉNS,
    com admiração,
    Efigênia Coutinho

    ResponderExcluir
  3. palavras com seu recorte clássico
    a construir um belo labirinto
    muito maior que o teor frásico
    onde me perco no que sinto

    é o soneto que não tem emenda
    e sempre se renova com o dizer
    de novas vozes indo em sua senda
    colher o fruto da vida pelo ser

    esta voz falando do silêncio
    parece assoar sem filtrar o ar
    registando este estranho comércio

    dum som que se dá como canto
    nada querendo em troca retornar
    e não mais falando do que espanto

    Neste rimar arrumo palavras que desarrumo, dando rumo a uma fala que fala da língua como se ela quisesse beijar a boca que guarda o órgão, deixando-nos ser organistas sentados ao teclado da escrita. Sempre suave e sensível a sua, onde actua... Eros para nos embalar? Bjs

    ResponderExcluir
  4. Esta Márcia eu não conhecia!
    A poetisa sedutora...
    Interessante, parece prosa. Leio outra vez. Gosto. É poesia mesmo.

    Beijos,
    Jorge

    ResponderExcluir
  5. Belo soneto, Márcia e diferente - um lirismo talhado em alabastro.
    abrçs.
    Marco.

    ResponderExcluir
  6. Márcia,
    você espera o seu amado no silêncio da manhã e nós leitores esperamos dos seus sonetos lirismo, paixão e encantamentos. Você é impar para dizer as coisas do coração. Parabéns!

    ResponderExcluir
  7. Minha querida Márcia!
    Que bom passar aqui e sempre encontrar um lindo poema ou um magnífico soneto, grande abraço linda!

    ResponderExcluir
  8. Rizolete Fernandes7 de setembro de 2011 13:54

    Márcia querida,

    O soneto é de um lirismo atual e tocante, belo! Parabéns e abraços,

    Rizolete

    ResponderExcluir
  9. Chego daqui a pouco. Me espere debruçada na Aurora.

    Titã

    ResponderExcluir
  10. Tentei diversas vezes enviar minha mensagem porém não consegui, pois sempre havia um recado informando algum erro que não ocorreu.
    Tive que refazê-la várias vezes, mas coloco aqui minhas impressões:

    Amada artista Márcia Sanchez Luz...

    Gostaria de dizer muito mais, mas o número de caracteres ultrapassou as possibilidades, por isso, abaixo, a última mensagem:
    É uma honra estar aqui e poder abençoar-me com a leveza da sua poesia, sempre marcada pela sensibilidade.
    Parabéns !
    Luiz Poeta

    ResponderExcluir
  11. Oi Marcia visitando seu blog,convido para visitar chá da tarde,tenho um espaço chamado seu livro favorito,convido para apresentar seus livros aceitas?meu email selmarovaris@pop.com.br
    beijos

    ResponderExcluir
  12. Queridos amigos, muito obrigada pela presença e carinho de suas palavras. Saibam que todos vocês fazem a diferença.

    Beijos

    Márcia

    ResponderExcluir
  13. Nem que seja só por um instante,
    ver e ouvir teus versos de manhã
    para me embalar no amor de amante
    eu, o poeta apaixonado, seu fã.

    ResponderExcluir
  14. Márcia, percebo, na releitura de Flor Anciã, uma condição essencial da afinidade: o silêncio. Quando não há necessidade de explicações, teorias, gestos. Somente, a presença, mesmo que o outro esteja alhures, no espaço e/ou no tempo. Grato pela partilha.

    ResponderExcluir
  15. Tércio, que bonitos versos! Agradeço pelo carinho de sua presença e palavras.
    Venha sempre!

    Abraços

    Márcia

    ResponderExcluir
  16. É verdade, Caio. A afinidade não carece de palavras ou justificativas...ela transcende toda e qualquer explicação. O silêncio é mágico, transporta e transborda...

    Obrigada por sua releitura.

    Beijos

    Márcia

    ResponderExcluir
  17. Bem, eu tenho temido mudar, Porque eu construí minha vida ao seu redor, Mas o tempo traz coragem; crianças envelhecem, Estou envelhecendo também.(sinopse do meu blog)
    Acessa o meu blog?
    "Crianças Envelhecem"

    http://criancasenvelhecem.blogspot.com/

    Espero a sua visita, se gostar do meu blog, segue lá, ficarei muito feliz.
    Desde já obrigada, tenha uma ótima semana.
    Atenciosamente Dinha".

    ResponderExcluir
  18. Cada vez melhor, Márcia, cada vez mais poesia e riqueza...

    Fabbio Cortez

    ResponderExcluir
  19. Não sei se é pós moderno,mas que é LINDOOOOOOOOO,É...Aplausos de pé!!Gosto do que toca meu coração,minha vida...Bjsss em sua linda alma.

    ResponderExcluir